La Niña reduz chuvas em Foz. Mas até quando vai atuar esta menina cruel?

Desde o início da manhã, o céu em Foz já mudou de cara várias vezes. De sinais de chuva a mais seca. Foto Patrícia Iunovich

Fenômeno estará ativo no verão e só perderá intensidade no decorrer do outono.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

São Paulo sob alerta vermelho (perigo intenso) para acumulado de chuvas, que já causaram 21 mortes e alagaram cidades em vários pontos do Estado.

Ninguém quer isso, nem lá e nem aqui em Foz. Se fosse possível ser atendido, o que a gente gostaria é de chuva bem distribuída, com calor – é verão e disso não escapamos – normal, ali por volta dos 30° e não dos 40° ou mais.

É até com certa descrença que procuramos os sites de meteorologia, pra ver se há alguma esperança de que isso aconteça.

Algumas previsões são animadoras, outras mantêm tudo como está: seca e calor. Ou calor e seca, a ordem não importa.

O pior é que a meteorologia não tem acertado. Bem, às vezes até certa, como na quinta-feira passada, quando unanimemente foi prevista chuva, pelos seis serviços que consultamos. Também dá pra considerar acerto que a temperatura baixou razoavelmente, de sexta-feira até agora.

Mas cadê a chuva (ou chuvinha, que seja) de sexta, prevista por Inmet, Simepar, Climatempo e Sistema Faep? AccuWeather e CPTEC/Inpe diziam que não iria chover.

As mesmas aves, mas o céu já está diferente. Foto Patrícia Iunovich

DESENCONTROS

Talvez o efeito La Niña complique ainda mais para fazer previsões para uma cidade apenas. Pode-se acertar no atacado, pra uma região inteira, mas um ponto no mapa torna tudo mais difícil.

La Niña, como tem feito até agora, diminui as chuvas no Sul do Brasil e aumenta no Sudeste, por exemplo. E a atuação deste fenômeno não acaba tão já.

Tentamos buscar unanimidade para os próximos dias, pra se ter um pouco mais chance de acerto. Mas não há.

Desta segunda até quinta, 3, neca de chuva para os serviços Simepar, AccuWeather e CPTEC/Inpe.

O Sistema Faep e o Climatempo veem chance de chover nesta segunda-feira. O Climatempo, por sinal, acha que a possibilidade de chover é bem alta também na quarta, na quinta e na sexta-feira, pra parar por aí.

O Inmet diz que há probabilidade de chuva isolada na quinta e chuva com trovoadas na sexta-feira.

Agora, pra sexta-feira, quatro dos seis serviços estão juntos na previsão de chuva. O AccuWeather antevê tempestade, sem chuva. E o CPTEC/Inpe indica seca contínua pelos próximos 10 dias.

Digamos, então, que a maioria está certa. Chove sexta-feira. Na torcida.

TEMPERATURAS

Pra volta do calor, contudo, há unanimidade. Todos preveem temperaturas acima dos 30° na semana inteira.

O Simepar é o mais contido, mas ainda assim prevê entre 32° e 35° nos próximos dias, com pico na quinta-feira.

O Inmet assusta: a temperatura mais baixa será na sexta (31°), mas chega a 36° já nesta segunda e a 38° na terça.

Para o Sistema Faep, máximas oscilam entre 34° na terça a 30° na sexta, dia de chuva.

O AccuWeather prevê 35° na terça e na quarta, 33° na quinta e 31° na sexta-feira.

O Climatempo diz que máximas vão oscilar entre 36° na terça, 38° na quarta, 37° na quinta e 31° na sexta-feira.

E, finalmente, o CPTEC/Inpe indica pra esta segunda-feira 34° e máximas em revezamento, de terça a sexta, entre 35° e 36°.

MÊS SECO

Espera-se o balanço dos meteorologistas sobre como foi o tempo em Foz, no mês de janeiro. Mas dá pra resumir: temperaturas acima da média histórica e chuva bem abaixo do esperado para o mês.

Entre os serviços que fazem previsão por tempo mais longo, há concordância de que fevereiro será mais chuvoso, a partir da próxima sexta-feira.

Desta segunda-feira até o dia 14, haverá 11 dias com chuva, às vezes fraca, de acordo com o Simepar.

Até o final do mês, dia 28, serão 25 dias com possibilidade de chuva, para o Sistema Faep.

Ducha de água fervendo vem do CPTEC/Inpe, para prazo mais curto: nenhuma chuva até o dia 12.

O AccuWeather prevê vários dias com tempestade localizada ou “algumas tempestades”, mas, estranhamente, o símbolo não mostra que trarão chuva. Até o dia 11, só há um dia marcando chuva de fato: segunda-feira, 11.

Em todo o Paraná, por sinal, fevereiro e março terão chuva abaixo da média climatológica, de acordo com estudo do Simepar divulgado no início do verão. Haverá – e já houve – muitos dias consecutivos com tempo seco e muito quente.

A causa é La Niña, que vai continuar ativa e só perderá intensidade no decorrer do outono, que começa oficialmente em 20 de março.

O problema é que no outono e no inverno chove pouco.

Traduzindo: 2022 poderá ser mais um ano de seca no Paraná, o terceiro em sequência.

E Foz do Iguaçu parece ser especialmente vitimada pelos efeitos de La Niña.

Na verdade, não é só La Niña, um fenômeno absolutamente natural. A ela se junta a mudança climática, esta provocada pela ação do homem, que desmata tudo, polui por onde passa ou vive e só pensa no imediati$mo.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.