Novembro já foi seco. Mas tempos de muita secura ainda estão chegando em Foz

O sol chega mais cedo e se põe mais tarde. E, com toda esta beleza, vai esturricando o que tem por baixo. Foto: Patrícia Iunovich

Aprenda a se prevenir dos malefícios que a baixa umidade do ar provoca. E são muitos, hein?

Outubro foi generoso. Choveu bastante e ajudou a amenizar um pouco os impactos da crise hídrica, a pior em 91 anos.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Já novembro decepcionou no Paraná inteiro. A expectativa era de 1.733,9 milímetros de chuva no Estado, mas foram registrados apenas 1.1019,6, de acordo com levantamento do Simepar, divulgado nesta segunda-feira, 6, pela Agência Estadual de Notícias.

A maior queda no mês, em relação à média histórica, foi em Maringá, onde choveu 72,9% menos. A seguir, Curitiba, que ainda enfrenta racionamento de água, onde choveu 68,2% menos.

Foz do Iguaçu ficou próxima das cidades em que a diferença em relação à chuva normal pro mês foi menor: 28,6%. Era pra ter chovido 157,5 milímetros, choveu 112,4 mm.

E esse dado deve ter intrigado muita gente: e aqueles temporais do mês, não serviram pra nada? Houve três ou quatro temporais, dois deles assustadores, que deixaram muita gente sem luz e a cidade inteira com árvores abatidas.

Mas os temporais não compensaram os dias de secura. E o pior é que dezembro também não será o mês chuvoso de sempre.

“Dezembro é conhecido como um mês quente e chuvoso, mas, fora o Litoral, não teremos tantos dias chuvosos como costuma ser a média para o mês. Ou seja, dezembro será mais chuvoso que novembro, porém menos que outubro”, diz o meteorologista do Simepar Reinaldo Kneib.

Chuvas de novembro

Crise hídrica continua. Fonte: Simepar/AEN

A SECURA

Quanto ao Paraná, ele deve estar certo. Mas, pelo menos na primeira quinzena de dezembro, praticamente não teremos dia de chuva em Foz, se a maioria dos serviços de meteorologia estiver correta.

A previsão do CPTEC/Inpe é a mais desanimadora: não chove nadinha até o dia 18.

Pro Tempo Agora, chuva (pouca) chega no dia 15, quarta da semana que vem.

O Simepar antecipa para dia 13; AccuWeather, dia 12; e Sistema Faep, dia 11, sábado.

Seja como for, pouca chuva na quinzena. Quase nada.

Por consequência, a umidade relativa do ar vai ficar entre boa, mais ou menos e péssima.

Isto é, pode oscilar, durante o dia, entre mais de 80% (o que é ótimo), em torno de 60% (normal) e menos de 30%.

Os sites que preveem a umidade do ar indicam isto. Vejamos a quarta-feira, 8: pro Simepar, a umidade do ar vai variar entre 36% e 67%; pro Tempo Agora, entre 25% e 53%.

O Sistema Faep só indica a umidade relativa do ar mínima no dia. E é secura explícita: 31% na terça e na quarta, 32% na quinta, 28% na sexta e 23% no sábado. Depois, chove, segundo o serviço, e o índice melhora.

COMO SE PREVENIR

Ali pertinho do mar, provavelmente ela nem precise de tanta hidratação. Mas aqui em Foz, é vital. Foto PXHere

Todo mundo sente algum incômodo quando a umidade relativa do ar está baixa. A pele sofre e surgem dermatites, as mucosas reagem mal e facilitam problemas nas vias respiratórias.

A médica dermatologista Alba Clausen, em matéria no site Hospital Alemão Oswaldo Cruz, onde ela trabalha, explica que o tempo seco, o frio e o banho quente diminuem a camada natural de proteção da pele, que perde a lubrificação natural, razão pela qual as coceiras e dermatites podem surgir ou se agravar.

“A pele resseca, pois seu manto de gordura diminui, e ele é o responsável por reter a umidade”, diz.

Surgem ou podem surgir então as dermatites, das mais variadas espécies.

Pra evitar, ela recomenda que, durante o dia, você hidrate a pele, beba bastante água e use hidratantes labiais. O banho deve ser rápido, com água entre morna e quase fria. Use sabonetes neutros e seque a pele suavemente.

Pra respirar melhor, aplique soro no nariz; evite ambientes com fumaça de cigarro; não pratique esportes em locais de muita exposição e entre 11h e 16h, quando a umidade está mais baixa.

Como os olhos também sofrem e ressecam, utilize colírios de lágrima artificial.

RECOMENDAÇÃO ESPECIAL

Em horários apropriados, isto é, antes das 11h e depois das 16h, pratique a dança da chuva. Além de ser um exercício físico saudável, você pode até contribuir para que as chuvas venham na dosagem certa.

Ou não?

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.