Reativar a magia e libertar a ciência

Ou o processo de reativar a magia como meio de libertar a ciência e o pensamento da ideologia dominante,

Por Claudio siqueira – RESENHA

Novembro é o mês que inicia com reverência à morte. Cristãos em geral observam no dia primeiro o Dia de Todos os Santos e Mártires e no segundo dia o de todos que partiram. No norte celebravam desde épocas imemoriais o Samhain que depois veio a ser o Halloween. Aqui no sul muito antes dos portugueses e espanhóis as civilizações maias e astecas praticavam o culto que veio a se tornar o Dia de los Muertos.

Novembro marca o fim da primavera no norte e o fim do outono no sul. Talvez esse seja o motivo de os cultos à morte no norte sejam de medo e no sul sejam de alegria.

A troca das estações sempre representaram em todas as culturas um período de menor resistência ao véu que separa nosso mundo real do sobrenatural. Então no período que corresponde hoje a novembro, as mais diversas culturas criam que os espíritos e entidades do submundo passeiam entre nós na vigília da noite no início do mês. Esse conjunto de crenças levou ao surgimento da prática da magia e feitiçaria em todas as culturas conhecidas. De modo geral, feitiçaria e bruxaria são práticas místicas ou supersticiosas executadas com o fim de moldar a realidade com a invocação ou evocação de alguma entidade sobrenatural, conforme a fé e crença determinada.

A cristianização do ocidente, a Reforma Protestante e o desenvolvimento do capitalismo levaram à “demonização” das práticas mágicas culturais ditas pagãs e isso teve consequências com o estabelecimento formal do patriarcado já existente com a queima das bruxas, que persiste até hoje na forma de discriminação de classe, raça ou gênero.

A isso denominamos ideologia, ou seja, o conjunto de ideias dominantes de uma classe sobre outra, ou a falsa realidade. A ideologia molda a política e a economia e ambas moldam a realidade e direciona a ciência. A ciência não produz inverdades mas sendo usada pela ideologia pode ocultar as verdades.

Tal debate, sobre a ciência e a construção da realidade, é estabelecido por Isabelle Stengers, que segundo a Wikipédia é uma “filósofa e historiadora belga notável por sua contribuição na filosofia da ciência”. Ela é autora de livros sobre Teoria do Caos, em parceria com o químico russo Ilya Prigogine.

Num diálogo com a escritora e ativista neopagã Starhawk, Isabelle Stengers discute as possibilidades de reclaim – que ora pode ser “reativar”, ora como “retomar”; da magia como ação de resistência anticapitalista. Dessa conversa nasceram duas obras: La sorcellerie capitaliste – Pratiques de désenvoûtement, de Philippe PIGNARRE, Isabelle STENGERS e Au temps des catastrophes – Résister à la barbarie qui vient, de Isabelle STENGERS.

Stengers também defende que é preciso trazer as ciências para a política para conferir novos sentidos para a aventura da experimentação e da especulação que envolve toda forma de pensamento.

Numa ótica material, resgatar e reivindicar antigas práticas ditas pagãs (não modernas-ocidentais) leva a uma crítica da realidade por uma perspectiva diversa da ideologia dominante – a da burguesia, e assim ampliar a compreensão do real e material sem as correntes do pensamento político estabelecido. Ou seja, a ciência obedece interesses capitalistas e portanto a ciência é política. Resgatar saberes e conhecimentos distintos do ocidental levará a ciência a um patamar de maior abrangência e de liberdade, pois as referências de real serão maiores, sabendo que cada cultura distinta tem uma forma distinta de construir a realidade.

No diálogo apresentado, reativar/retomar a magia não é simplesmente recuperar algo do
passado, mas construir pontes e ampliar o conhecimento e a ciência. Nesse esforço, nada pode ser desprezado e nenhum conhecimento deve ser entendido como menor que outro, mas apenas diverso e o trabalho consiste em encontrar paralelos e buscar sínteses. “Unidade na diversidade”, um lema celta que foi apropriado pelos cristãos anglosaxãos.

Todo o foco no fim desse debate está em que para se opor ao capitalismo como o temos hoje, precisamos “desfetichizar” (desconstruir o fetiche) do capital. A magia seria uma outra forma de realidade construída que se opõem à realidade construída pelo capitalismo. Assim, para se opor à opressão do capitalismo atual não podemos simplesmente buscar o poder, mas interromper o sentimento de impotência das bases. O poder é democratizado quando há empoderamento dos oprimidos. Todos tendo poder, o poder desaparece…

O espaço aqui é resumido para termos uma maior explanação do tema, fica a sugestão da leitura do artigo “Reativar a feitiçaria e outras receitas de resistência – pensando com Isabelle Stengers” de Renato Sztutman.

SERVIÇO:
As obras de Isabelle Stengers podem ser encontradas ou encomendadas na Kunda Livraria Universitária.

Obras traduzidas:

  • A Nova Aliança: a metamorfose da ciência (1979), em coautoria com Ilya Prigogine, Brasília, Editora Universidade de Brasilia, 1997.
  • “Quem tem medo da ciência? : ciencia e poderes”, São Paulo, Siciliano, 1990.
  • “O coração e a razão : a hipnose de Lavoisier a Lacan”, em coautoria com Leon Chertok, Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1990.
  • “O Fim das Certezas: tempo, caos e as leis da Natureza”, em coautoria com Ilya Prigogine, Editora UNESP, 2011
  • ‘”A invenção das Ciências Modernas”, São Paulo, Editora 34, 2002.
  • “No Tempo das Catástrofes”, São Paulo, Cosac Naify, Coleção EXIT, 2015.
Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Siqueira

Claudio Siqueira é um cidadão iguaçuense com sotaque da fronteira. Facebook: claudio.siqueira Veja mais conteúdo do autor.

Claudio Siqueira tem 11 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Siqueira

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.