A leitura e a visão do mundo

* Prof. José Afonso de Oliveira

Lembro-me de que na década de 60, do século passado, havia uma editora muito afamada que tinha um slogan interessante e real, o qual dizia o seguinte: quem não lê não fala, não ouve e não vê.

A leitura é algo recente, no sentido de sua disseminação para todas as pessoas, fato esse que começou a existir somente agora, nestes últimos 500 anos. Foi Gutemberg que, inventando a prensa de tipos móveis, possibilitou que os livros começassem a existir, substituindo pergaminhos que eram escritos à mão nos conventos medievais.

Matinho Lutero popularizou essa nova invenção no momento em que traduziu a Bíblia para o alemão e que, graças aos livros, possibilitou que rapidamente os alemães tivessem acesso a todo esse conhecimento.

Em que pesem todos esses fatos, ainda existem números muito consideráveis no mundo de pessoas analfabetas, o que é uma verdadeira excrescência.

“Com a leitura podemos ter visões de mundo muito mais profundas.”

Mas com a leitura podemos ter visões de mundo muito mais profundas, graças aos avanços do conhecimento científico/tecnológico ou mesmo ao sabor de sentimentos e paixões tão bem colocados por toda a literatura internacional.

Passamos assim a ver a sociedade com outras formas muito mais abstratas, pois nem sempre são visíveis, porém as leituras passam a enfocar aspectos muito interessantes.

O número de escritores hoje é enorme; há escritos sobre todos os assuntos, e podemos observar que lançamentos de livros são acontecimentos quase que corriqueiros com presença muito significativa de pessoas bem qualificadas.

Além disso, as universidades aperfeiçoaram, e muito, a arte de escrever com os seus vários cursos de Letras, Literatura… enfim, com o surgimento de um conhecimento bem estruturado e muito aperfeiçoado.

Tudo isso faz com que tenhamos a sensação de vivermos em um mundo muito diferente, muito rico e que caminha, aceleradamente, para novas etapas. Para tanto a introdução dos sistemas informatizados amplia e favorece muito toda a leitura para inúmeras pessoas mundo afora.

Contudo ainda temos culturas, muito antigas e presentes, não alfabetizadas, mas ideográficas, como é o caso do japonês, chinês e árabe. Mesmo assim a leitura nessas culturas avançou muito, constituindo uma nova forma de ver e entender o mundo.

* Prof. José Afonso de Oliveira é sociólogo e professor universitário em Foz do Iguaçu.

_________________________________
 

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail  [email protected]

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.