Hedonismo e seus males na sociedade atual

* José Afonso de Oliveira

O hedonismo, ou a busca desenfreada pelo prazer, que existe desde o mundo grego, no qual ele foi gerado, serve hoje de base para toda uma série enorme de atividades.

Mas a confusão se instala no momento em que se confunde prazer com felicidade, e daí parte a derivação de que tendo o prazer por única finalidade da vida, logo sou imensamente feliz.

Aqui aparece uma série de questões restritivas, sendo talvez a primeira delas referente ao hedonismo como a busca pelo prazer entendido como se fosse a sexualidade. Mas podemos avançar informando que há outros prazeres, tais quais a alimentação, o conhecimento, a arte em seu sentido geral nas suas várias e diferentes manifestações, o poder, e por aí vai. Portanto o prazer não é apenas um, e sim múltiplos.

O hedonismo, porém, está focado fortemente sobre o indivíduo, gerando um ser inteiramente isolado, egoísta, sem qualquer tipo de comunicação com outras pessoas.

Agora vamos aos fatos. O hedonismo gerando esse sujeito é excelente para a ampliação do mercado consumidor de bens. Vejamos: ao expor determinado produto para consumo, seja um carro ou um outro objeto qualquer, a propaganda e a publicidade vão insistir nos seus aspectos de realização do prazer, aliando isso à felicidade. Resultado óbvio: teremos seres altamente consumidores sem, por vezes, saberem o motivo pelo qual estão consumindo determinado produto de que não necessitam.

Mas a felicidade pouco ou nada tem a ver com isso, pois o homem verdadeiramente feliz é livre em todas as suas decisões, busca a sua realização na abertura para o outro, sendo solidário e fraterno e buscando a justiça para todos, indistintamente. Por aí podemos aquilatar o quanto é falsa a premissa de que o hedonismo possa nos conduzir à felicidade.

Isso tudo nos induz a pensarmos em novas formas de viver, buscando outros objetivos que não sejam o prazer, em que pese evidentemente a sua importância. Aqui falamos do hedonismo como sendo um prazer descontrolado que acaba deformando o homem e transformando-o num ser inteiramente utilitário sem qualquer outro compromisso com a sociedade.

É preciso construir um outro homem, no qual a felicidade possa ser o seu objetivo, irmanando todos nessa vida que, estando assentada sobre a liberdade humana, é muito mais plena.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.