Informática na educação

A informática entrou em todos os setores sociais, porém na educação está ainda nos primórdios. Isso é devido à rejeição às mudanças, pois os sistemas educacionais são bastante conservadores.

Temos a introdução da informática em todos os nossos setores produtivos com processos de robotização em várias indústrias, notadamente na automobilística, mas também controle de estoques e reposições totalmente informatizados na Huawei. Em áreas mais sofisticadas como a medicina, a informática está entrando fortemente com a realização de todos os procedimentos médico-cirúrgicos inclusive com a utilização de robôs.

Agora com a pandemia em curso, a educação teve de avançar utilizando recursos de informática para conseguir trabalhar com os alunos. É ainda bastante incipiente, entretanto, de todo modo, já é um caminho que está sendo bem utilizado.

Com isso, prédios escolares – por sinal caríssimos – serão inteiramente desnecessários, assim como laboratórios de várias disciplinas, porque tudo isso está sendo substituído pela informática.

Softwares inteligentes poderão brevemente ajudar muitos alunos e professores nas áreas específicas de aprendizagem de diferentes disciplinas, e isso, lógico, será muito importante e muito bom.

Mas temos de propiciar para todos os alunos equipamentos básicos de informática para que eles possam estar devidamente inseridos nessa nova realidade. Isso não será assim tão difícil de ser conseguido, podendo ser de caráter individual ou até mesmo coletivo, para grupos pequenos.

Contudo haverá alguns problemas pela frente. O primeiro deles, e muito importante, diz respeito aos métodos de ensino e aprendizagem, que deverão ser pensados dentro dessas novas possibilidades de uso dos sistemas informatizados. Isso não é tarefa fácil, mas que deve ser trabalhada o mais rapidamente possível. 

Uma outra questão importante é quanto aos ambientes de convivência e relacionamento entre os alunos e destes com os professores e as instituições de ensino. Novamente tudo isso deve ser objeto de atenção dentro da ótica dos instrumentos informatizados disponíveis.

Mas atenção, tudo isso já está em andamento e precisa, com a devida urgência, ser aperfeiçoado.

 

* José Afonso de Oliveira é professor e sociólogo em Foz do Iguaçu.

________________________________

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected]

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.