Mudando o presente e pensando no futuro

É agora o momento de mudarmos o presente em nossa cidade e pensarmos, em longo prazo, no nosso futuro. Ante a crise que estamos vivendo nos âmbitos político, econômico e social, agravada pela pandemia, precisamos, com a devida urgência, modificar profundamente essa situação.

Para tanto é preciso que o poder público, Câmara e Prefeitura de Foz do Iguaçu possam liderar essa mudança, arregimentando as forças vivas e atuantes na cidade.

As universidades, tanto as públicas quanto as privadas, devem ser chamadas para apresentar discussões, planejamentos e execução de várias atividades que são necessárias neste momento.

As associações de classe, lideradas pela ACIFI, precisam também posicionar-se visando a estar envolvidas em todo esse processo.

Fundamentalmente precisamos superar a miséria e a fome em nosso município, e para tanto temos de pensar em atividades que possam gerar emprego e renda, manter os alunos nas nossas escolas em períodos maiores, e atender às necessidades básicas de saneamento e saúde.

Frentes de limpeza pública, conserto de calçadas, criação de hortas em alguns espaços, tanto públicos quanto privados, término do Mercado Municipal, criação de escolas de arte, por meio da Fundação Cultural, competições esportivas e treinamentos com as equipes de futebol da cidade, criação de equipes de voleibol, basquete e tantas outras modalidades com a Secretaria de Esportes.

Pensando também em curto prazo, as melhorias que devem ser executadas na ocupação do Bubas e a ampliação de financiamentos para a construção de conjuntos habitacionais.

Gerar, juntamente com o PTI, um centro de criação e inovação utilizando amplamente os sistemas informatizados de sorte a termos a possibilidade de criarmos e ampliarmos os avanços em informática que estão sendo construídos mundo afora. Esse centro substituiria em boa medida a ideia de um polo industrial que hoje estaria completamente ultrapassado.

Trabalhar em prol de uma maior aproximação com Ciudad del Este e Puerto Iguazú, especialmente nas áreas de turismo, hotelaria e comércio; e também nesse sentido construir as margens do Rio Paraná, transformando essa região, tanto do lado brasileiro como do paraguaio, num novo centro de turismo de integração.

* José Afonso de Oliveira é professor e sociólogo em Foz do Iguaçu.

________________________________

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected]

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.