Turismo em Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca.

Novas perspectivas para o turismo

OPINIÃO

Prof. José Afonso de Oliveira

Agora que estamos caminhando, aceleradamente, para a superação da pandemia, colocando-a sob controle, podemos começar a fazer um bom exercício e planejamento da atuação do turismo em Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca.

Já contamos com bons atrativos, muito bem cuidados, diga-se de passagem, tanto quanto com uma boa rede hoteleira, bem diversificada, atendendo aos mais diferentes gostos, o mesmo valendo para a nossa rede de restaurantes e lanchonetes.

Agora com o aeroporto privatizado e com a ampliação das pistas de pouso e decolagem, podemos ter acesso a outras áreas como os Estados Unidos, países europeus e asiáticos, o que vai incrementar sobremaneira todo o nosso setor de turismo.

Para tanto é preciso resolver duas questões que são fundamentais: a primeira delas refere-se a um treinamento geral para guias e todos os demais atendentes do setor, no sentido de inclusão de intérpretes para os principais idiomas, profissionalismo nos atendimentos aos turistas, tendo como meta que todo turista, independentemente de qualquer outra situação, seja muito bem atendido.

A segunda questão refere-se a termos agentes de turismo nos países europeus, Estados Unidos e países asiáticos que possam trabalhar para conseguir viagens a Foz do Iguaçu. Isso tem de ser realizado em conjunto com todo um material publicitário mostrando a nossa realidade e os nossos atrativos.

Merece destaque muito especial a busca de uma maior integração com o Paraguai e seus atrativos turísticos como a Itaipu, o Museu Guarani, as lojas especializadas e os restaurantes existentes, de forma que o visitante de Foz do Iguaçu possa igualmente ser muito bem atendido e recebido em Ciudad del Este. Importante destacar a existência de cassino funcionando diariamente.

De modo semelhante temos a cidade de Puerto Iguazú, na Argentina, com toda a sua excelente gastronomia internacional e local, seus atrativos turísticos com a costanera beirando o Rio Paraná, que deve também merecer toda a atenção dos turistas. Destaque para cassinos que funcionam normalmente. Tudo isso vai requerer um preparo e planejamento, e para tanto seria interessante a realização de um Congresso Turístico da Tríplice Fronteira para traçar as metas e os prazos de execução de tudo o que for acertado, assim realizando todo um trabalho, muito prático e objetivo, de melhoria significativa nesse importante setor.

*José Afonso de Oliveira é professor e sociólogo em Foz do Iguaçu.

________________________________

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected].