O futuro que já é presente

Prof. José Afonso de Oliveira I OPINIÃO

Pensávamos em várias coisas para o futuro quando fomos surpreendidos com as suas realizações já no presente. Estou referindo-me à execução de trabalhos em casa utilizando as redes sociais. 

Agora essa modalidade e outras, como serviços de entrega – que estão sendo também muito utilizados –, vieram para ficar, e assim novos empreendimentos devem ser ativados.

É fato inconteste que teremos uma grande crise econômica, possivelmente uma enorme recessão, e por conta disso é muito salutar já podermos pensar em algumas alternativas aqui na cidade.

Em vez de permanecermos reclamando o tempo todo ou mesmo querendo forçar a barra para a reabertura de todas as atividades, podemos e devemos unir forças para apresentar e colocar no papel alternativas para serem soluções à problemática que já estamos vivendo.

Talvez capitaneados pela ACIFI como elemento de liderança na cidade, agregando a participação das universidades, governos municipal, federal e estadual, Itaipu, órgãos de classe, sindicatos, enfim, todos aqueles que, direta ou indiretamente, têm competência e obrigações sociais para juntos podermos traçar e pensar em novas atividades que sejam capazes de superar a crise.

Novos empreendimentos devem ser pensados na área do turismo. Por exemplo, a criação de um centro ambiental no Parque Nacional do Iguaçu, a construção de um aquário na área de turismo da Itaipu, a dinamização de um centro de turismo tendo a temática básica das reduções jesuíticas dos índios guaranis, e atividades culturais como encontros de corais, festivais de música, cinema e teatro, enfim, atividades dirigidas, preferencialmente, aos jovens em determinados períodos do ano.

Criar finalmente o mercado municipal da cidade, que seria um ponto estratégico para a comercialização de produtos oriundos tanto do campo como da cidade. Essa obra já está iniciada e deve ser terminada com a maior brevidade possível.

Junto à Itaipu incentivar a produção de uma indústria pesqueira para ampliar a produção e a comercialização na área de abrangência do lago de Itaipu. Isso já ocorreu em passado recente e deve ser implementado agora, com possíveis correções.

Essas são algumas ideias, mas importante mesmo é não ficarmos todos parados esperando que algo possa acontecer.

* Prof. José Afonso de Oliveira é sociólogo e professor universitário em Foz do Iguaçu.

______________________________

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected]

 

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.