Parque Nacional do Iguaçu

José Afonso de Oliveira (*)

Neste momento em que as questões ambientais estão em evidência, mundo afora, temos na nossa cidade e região uma grande reserva natural com 169.695,88 hectares de remanescentes da Mata Atlântica, que originalmente cobria uma vasta extensão que vinha do Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul e que hoje se encontra praticamente extinta, salvo em alguns trechos de serra nas proximidades do litoral.

O acesso principal do Parque Nacional dista 17 km do centro de Foz do Iguaçu e apenas 5 km do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu/Cataratas, portanto é um local de fácil locomoção tanto nacional quanto internacional.

O Parque Nacional do Iguaçu tem limites com 14 municípios do Oeste do Paraná e, em 17 de novembro de 1986, foi agraciado com o título de Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco.

Devemos ainda destacar que, extrapolando as nossas fronteiras, o parque adentra território argentino, onde também é uma área protegida pelo governo do país vizinho.

Dentro da unidade temos as frondosas e maravilhosas Cataratas do Iguaçu, um espaço cênico de rara beleza que atrai visitantes do mundo inteiro para essa região.

Toda a imensa variedade de biodiversidade encontrada no parque é de uma riqueza incalculável, formada pelas mais variadas espécies vegetais e animais. Aí a natureza, devidamente protegida, encanta e mostra novos caminhos para toda a humanidade e para seu pleno desenvolvimento em harmonia com o meio natural.

O parque, tanto no Brasil quanto na Argentina, é explorado para a visitação de turistas, que ficam deslumbrados ante tantas maravilhas que são observadas.

Poderíamos, no entanto, com o apoio da Unesco, pensar na constituição de um grande centro de estudos ambientais, de padrão internacional, que atraísse pesquisadores brasileiros, argentinos e do mundo inteiro para o desenvolvimento do conhecimento tecnológico com outras formas de convivência com o ambiente natural.

É por tudo isso e muito mais que podemos interagir com as universidades localizadas no entorno da unidade de conservação e, evidente, com outras mais distantes, buscando sempre ampliar o conhecimento visando ao bem-estar das populações nas proximidades do parque e fora dele, pois essa é uma das finalidades que temos ao preservar toda uma área nativa de conservação.

José Afonso de Oliveira é sociólogo e professor universitário em Foz do Iguaçu.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.