Argentina define ainda nesta quarta, 29, adoção de novas medidas contra a covid

Não haverá adoção de medidas mais radicais, porque aumento de casos não se reflete em mais mortes e internamentos. Foto Gustavo Amarelle/Agência Télam

Aumento de casos gera preocupação, apesar de internamentos e mortes estarem em queda.

Os 109.826 casos de covid-19, nos sete dias até esta terça-feira, 28, geraram alarme no setor de saúde da Argentina.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Em casos, o país subiu para o 10º lugar no ranking mundial, e agora está perto dos países mais atingidos pela nova onda da pandemia. Para comparar, o Brasil está em 26º lugar.

Nesta quarta-feira, 29, por videoconferência, a ministra de Saúde da Argentina, Carla Vizzotti, está reunida neste momento (desde as 10h) com os secretários de Saúde de todas as províncias.

O encontro do Conselho Federal de Saúde, noticia a Agência Télam, vai definir novas estratégias para conter a pandemia, devido ao aumento “exponencial de casos de contágios, com a circulação das variantes delta e ômicron do coronavírus”.

Nas últimas 24 horas, foram registrados 33.902 novos casos, 67% a mais que no dia anterior, e 20 mortes. O total, desde o início da pandemia, subiu para 5.514.207 casos e 117.085 óbitos.

Na segunda-feira, a ministra já havia proposto uma “mudança de paradigma”, para que a pessoa em contato próximo com um caso confirmado de coronavírus e tenha um sintoma já seja considerada um caso positivo, sem necessidade de fazer um exame.

Carla Vizzotti também pretende que os autotestes para a doença sejam comercializados nas farmácias, como ocorre já há bastante tempo na Europa e nos Estados Unidos (no Brasil o teste de antígeno também pode ser feito em farmácias).

Da reunião, não se deve esperar nenhuma medida mais radical, como lockdown, por exemplo. Apenas mais testagem e um acompanhamento da situação mais de perto.

MENOS MORTES

A ministra de Saúde argentina faz questão de ressaltar que, mesmo com este aumento de casos, a situação é diferente de outras fases da pandemia. O número “muito exponencial de casos (…) não se está traduzindo em internamentos e mortes”.

Ela atribui isso ao alto índice de vacinação, com 72% dos argentinos já imunizados com duas doses.

Há hoje menos de mil pessoas em terapia intensiva e, em números absolutos, a Argentina fechou a semana com 132 mortes, uma pequena queda de 4% em comparação com a semana anterior. No ranking, ficou em 41º lugar.

O Brasil, com 732 óbitos (16% menos que na semana anterior), ficou em 13º lugar.

Mas ambos os países estão com índice exatamente igual, proporcionalmente: 3 mortes por milhão de habitantes, pelos números da semana.

PARAGUAI

O Paraguai também enfrenta um recrudescimento da pandemia. Na semana, registrou 1.031 casos, aumento de 19% em relação à semana anterior.

Mas, em óbitos, teve uma queda de 61% (72 na semana anterior e 28 nesta). Em mortes proporcionais, está um pouquinho pior que Brasil e Argentina: na semana, o índice foi de 4 mortes por milhão de habitantes.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.