De 1º em mortes por covid no mundo, em junho, Paraguai cai para 138º agora

Com baixa imunização, o cumprimento de protocolos sanitários pode ser a explicação para a boa situação do Paraguai. Foto Agência IP

Posição da Argentina e do Brasil também melhorou muito. Mas o Brasil ainda traz receio.

Há exatamente quatro meses, em 27 de junho deste ano, o H2FOZ publicou: “Paraguai, 1º no mundo em mortes por covid, proporcionalmente”

A doença matava mais de 150 paraguaios por dia. Os 844 óbitos registrados na semana até o dia 26 de junho deixavam o país em 12º lugar, em números absolutos (o que é exagerado, considerando o tamanho da população paraguaia). Em mortes proporcionais à população, foram 117 por milhão de habitantes: 1º lugar no ranking mundial.

O Brasil teve naquela semana 11.951 mortes e ficou, no número absoluto, em 1º lugar no ranking dos países, mas, proporcionalmente à população, em 8º, com 56 óbitos por milhão de habitantes.

A Argentina, com a média de 78 mortes por milhão de habitantes, estava em 4º lugar.

OS NÚMEROS DE HOJE

A situação mudou radicalmente, principalmente considerando-se o Paraguai e a Argentina, conforme os dados do site Worldometer.

A Argentina registrou 129 mortes na semana até terça-feira, 26, o que deixou o país em 44º lugar; o Paraguai, com apenas 5 óbitos, ficou em 130º.

Já o Brasil teve 2.391 mortes na semana e, com isso, manteve um ainda perigoso 6º lugar no ranking mundial.

Proporcionalmente à população, a situação do Brasil melhora. Cai para o 57º lugar, com 11 mortes a cada milhão de habitantes.

A Argentina, com 3 óbitos por milhão, desce para o 104º lugar.

E o Paraguai não chega nem a 1 morte por milhão de habitantes (0,7), e com isso foi para a posição 138 no ranking.

VACINAÇÃO

À frente do Brasil, em casos e mortes, estão países como a Rússia, com óbitos em alta (7.450 na semana, ou 51 a cada milhão de habitantes); Estados Unidos (8.986 óbitos, o que equivale a 27 por milhão de habitantes); e Reino Unido (982 mortes, ou 14 por milhão.

Comparativo de vacinação entre alguns países. Fonte: Worldometer

Em vacinação, o Brasil estava bem atrás de Estados Unidos e Reino Unido, há quatro meses. Agora, na soma de uma dose ou imunização completa, está à frente.

No total, foram imunizados 74% dos brasileiros, à frente do Reino Unido (73%) e Estados Unidos (66%). Mas com imunização completa o total no Brasil atingiu 54,3% da população, ante 66,83% no Reino Unido e 56,73% nos Estados Unidos. É possível que os americanos sejam ultrapassados em breve.

A Argentina também superou Estados Unidos, com 73% de imunizados. Mas, com duas doses ou dose única, são 55,8% dos argentinos, mais que os brasileiros.

Já o Paraguai imunizou 41%, dos quais 30,46% completamente, o que o deixou à frente da Rússia (36%), país que produz vacinas. Mas, na América do Sul, só está melhor do que a Bolívia e a Venezuela.

Mesmo com baixo índice de imunização, o Paraguai está numa posição confortável. Talvez isso se explique pelo maior cuidado com a higiene e com os protocolos sanitários de maneira geral.

Já o Brasil, embora tenha melhorado muito nesses quatro meses, ainda inspira cuidados, porque ainda morrem mais de 350 pessoas por dia. A Fiocruz alertou que é preciso ainda tomar os devidos cuidados. Relaxar, ainda não dá…

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1160 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.