Foz soma 1,6 mil novos casos de covid-19 nas duas semanas de novembro

São 912 diagnósticos positivos nesta semana, ante 688 nos primeiros sete dias deste mês, que registra ainda 19 óbitos por causa da doença. Taxa de ocupação da UTI é de 81%.

H2FOZ – Paulo Bogler

A segunda semana do mês de novembro chega ao fim confirmando o cenário de crescimento de novos casos de covid-19 em Foz do Iguaçu. Entre os dias 8 e 14 (domingo a sábado), foram 912 diagnósticos da doença, ante 688 aferidos nos primeiros sete dias do mês.

Nas duas semanas de novembro, segundo o boletim epidemiológico divulgado neste sábado, 14, pela prefeitura, 1.600 pessoas tiveram a infecção provocada pelo novo coronavírus. Nesse período, os informes oficiais confirmaram 19 mortes por covid-19.

Nas últimas 24 horas, foram 103 casos diagnosticados, atingindo 11.064 ocorrências ao todo. Nessa sexta-feira, 13, mais duas pessoas perderam a vida devido à doença, totalizando 163 vítimas desde o início da pandemia, que acometeu o município a partir da segunda quinzena de março.

A semana que termina também registrou o pior dia da pandemia em Foz do Iguaçu, conforme a quantidade de novos casos em 24 horas. Na última quarta-feira, 11, foram 229 diagnósticos, superando o que era o maior registro diário, de 168, em 16 de julho, mês que chegou a ser considerado o auge do coronavírus na cidade.

Em 31 de outubro, a média móvel de casos diários era de 104,57. Em alta na comparação com 14 dias atrás, a média móvel neste sábado é de 130 ocorrências por dia, em alta.

UTI e enfermarias

Os leitos em unidades de terapia intensiva (UTIs) voltaram a registrar alta. Neste sábado, a taxa de ocupação é de 81%, com 61 das 75 vagas exclusivas para covid-19 sendo utilizadas. Pacientes estão internados em 44 das 64 camas na enfermaria destinada ao tratamento da doença, o que representa índice de 68%.

Incidência

Com os números em alta, a incidência de covid-19 é de 4.320 casos para cada 100 mil habitantes, situação de emergência, conforme o serviço municipal de epidemiologia. Esse indicador é de 1.966 no Paraná (risco intermediário) e de 2.685 no Brasil.

Três regiões da cidade, com base na incidência (casos x 100 mil moradores) de covid-19, estão na situação de emergência, a mais alta no esquema de aferição da pandemia pelos serviços de saúde. Esse indicador é o seguinte:

Região Norte: 4.542 casos por 100 mil habitantes (situação de emergência);

Região Leste: 4.227 casos (situação de emergência);

Região Sul: 4.155 (situação de emergência); e

Região Nordeste: 3.654 (situação de risco).

Conforme a Vigilância Epidemiológica de Foz do Iguaçu, a partir da incidência de covid-19, são atribuídas as seguintes situações:

“baixo risco”: incidência municipal em 50% abaixo da incidência do Brasil;
“risco intermediário”: quando essa referência é igual à incidência nacional;
“risco”: quando esse indicador local é de até 50% da incidência do país; e
“emergência”: é a incidência municipal acima de 50% da incidência do Brasil.

Novos casos na primeira semana de novembro:

domingo, 1º de novembro: 117 casos

segunda, 2: 38 casos

terça, dia 3: 78 casos

quarta, dia 4: 90 casos

quinta, dia 5: 124 casos

sexta, 6: 134 casos

sábado, dia 7: 107 casos

Total na 1ª semana de novembro: 688

Novos casos na segunda semana de novembro:

domingo, dia 8: 90 casos

segunda, dia 9: 51 casos

terça, dia 10: 158 casos

quarta, dia 11: 229 casos

quinta, dia 12: 125 casos

sexta, dia 13: 156 casos

sábado, dia 14: 103 casos

Total na 2ª semana de novembro: 912

Relação de casos e mortes desde o início da pandemia:

março: 13 casos e nenhuma morte;

abril: 36 casos e 2 mortes;

maio: 79 casos e 1 morte;

junho: 768 casos e 8 mortes;

julho: 2.447 casos e 19 mortes;

agosto: 1.732 casos e 31 mortes;

setembro: 2.173 casos e 42 mortes;

outubro: 2.216 casos e 41 mortes; e

novembro: 1.600 casos e 19 mortes.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.