Sabe quanto custa manter um paciente com covid-19 em UTI, no Paraguai? R$ 11,5 mil por dia.

H2FOZ – Cláudio Dalla Benetta

O médico que morreu no domingo (30) com covid-19, em Ciudad del Este, deixou para a família uma dívida de 120 milhões de guaranis, o equivalente a R$ 92 mil, por ter ficado uns dias internado na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital particular.

O custo de um leito de UTI num hospital privado é quase o dobro do que gasta o Estado com um paciente num hospital público, revela uma reportagem do jornal Última Hora.

O vice-ministro de Atenção Integral à Saúde do Paraguai, Julio Borba, contou à reportagem que um paciente com covid-19, internado na UTI, custa para o governo entre R$ 10,6 mil a R$ 11,5 mil por dia (valores já convertidos do guarani).

Um internamento de 15 dias pode chegar a R$ 173 mil. Este tempo é o mínimo que um paciente com sintomas graves da doença permanece sob cuidados intensivos, segundo Borba. Nesse valor estão incluídos o custo da cama, dos medicamentos, oxigênio, equipamentos médicos, pessoal que faz o atendimento e outros.

O número de internados em UTIs no Paraguai varia sempre para cima ou para baixo, devido às mortes e às recuperações, diariamente, mas no momento está perto de 85 pacientes.

Somente para atender a este grupo de pacientes, o custo para o Estado será de ao menos US$ 2,7 milhões (R$ 14,5 milhões), considerando 15 dias de internamento para cada um.

Até quarta-feira, 2, para atender os 224 pacientes que passaram por UTIs desde o início da pandemia, o governo paraguaio gastou o equivalente a US$ 7,2 milhões (R$ 38,6 milhões), que se somam ao gasto de R$ 14,5 milhões para os que estão atualmente nas unidades de terapia intensiva.

“Impagável”

Mesmo o tratamento de um paciente com covid-19 internado em enfermaria comum tem um custo que chega a 4 ou 5 milhões de guaranis, diariamente (entre R$ 3 mil e R$ 3,8 mil).

É um valor “impagável para qualquer cidadão”, lembra o jornal Última Hora. O vice-ministro observou que o valor pode ser maior ou menor de acordo com a condição do paciente e dos remédios utilizados, desde os mais baratos (antibióticos a R$ 23) até outros bem caros, até por R$ 1,1 mil a caixa.

Depois, entram na conta materiais descartáveis, como luvas e outros equipamentos de proteção pessoal dos médicos e dos pacientes.

Borba contou ainda que cada teste de covid-19 custa ao Ministério de Saúde Pública cerca de R$ 170. Até terça-feira, 1, haviam sido feitos 195.554 testes, que representaram, portanto, um custo equivalente a R$ 33 milhões.

Justiça com família do médico

A respeito da dívida que o médico que morreu em Ciudad del Este deixou para a família, o vice-ministro de Atenção Integral à Saúde do Paraguai, Julio Borba, disse que a assessoria jurídica do Ministério de Saúde Pública está avaliando os mecanismos legais para absorver este débito.

Nada mais justo. Ele era o único neurocirurgião de Alto Paraná e morreu no cumprimento do dever, tentando salvar vidas dos pacientes portadores do vírus.

Até mesmo os testes representam um custo alto, especialmente num país pobre. Foto Ministério de Saúde Pública

Recorde de casos no país

O Paraguai teve um novo recorde diário de casos, segundo o informe de quarta-feira, 2. Foram 800 em 24 horas, ante o recorde anterior, de 21 de agosto, de 719 contágios.

Até ontem, o Paraguai somava 19.138 casos confirmados, dos quais 9.981 recuperados (a recuperação é baixa, o índice chega a apenas 52% do total). Com mais 10 mortes, o total passou a 358.

No departamento de Alto Paraná, cuja capital é Ciudad del Este, a mortalidade por covid-19 é elevada, em relação ao país. A região tem apenas 11% da população paraguaia, mas o número de mortes (desde março, 148 pessoas) equivale a 41% do total do Paraguai. Já os casos representam 32% do total no país.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.