Do aeroporto para um depósito. Vacinas vão ficar em quarentena.Foto Agência IP

Vacina doada pela Índia ao Paraguai não foi aprovada pela Anvisa

O Paraguai recebeu na segunda-feira, 30, a doação pelo governo da Índia de 100 mil doses da vacina Covaxin, contra a covid. A vacina é produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech, que não obteve o Certificado de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil, a Anvisa.

Já estava previsto pelo Paraguai que as vacinas doadas seriam armazenadas até obterem avaliação da Anvisa e de um organismo similar do México.

A presidente da Vigilância Sanitária do Paraguai, María Antonieta Gamarra, soube do resultado da avaliação da Anvisa e reconheceu que o órgão é “referência para a região”, conforme o jornal Última Hora informou nesta terça-feira, 30. Ela disse que será respeitada a decisão da Anvisa, quando receber o relatório que resultou na desaprovação dos processos de fabricação pelos técnicos brasileiros.

“Estas vacinas vão ficar em quarentena até que possamos garantir sua segurança e qualidade”, disse María Gamarra, informando também que o Paraguai entrará em contato com o México, onde a Covaxin está sendo submetida a processos de avaliação para uso emergencial.

O diretor do Programa Ampliado de Imunização do Paraguai, Héctor Castro, disse que será convocado o comitê técnico do Ministério da Saúde para avaliar as ações referentes às vacinas Covaxin.

BRASIL E PARAGUAI FECHARAM COMPRA

Além das 100 mil doses que já estão no Paraguai, o governo da Índia vai enviar outras 100 mil como doação. Além disso, o Ministério da Saúde está tramitando a compra de 2 milhões de doses da vacina, que já foi aplicada em pelo menos 25 milhões de indianos, segundo Última Hora.

O embaixador da Índia, Dinesh Bhati, disse que a Covaxin foi “pesquisada, desenvolvida e produzida na índia” e obteve 81% de eficácia na fase 3 das pesquisas.

A negativa de boas práticas de fabricação ao laboratório indiano afeta também o cronograma previsto pelo Ministério da Saúde do Brasil, que assinou um acordo para a compra de 20 milhões de doses do imunizante, segundo a revista Veja.

FALTAM VACINAS

Até o fim do ano maior parte da população estará imunizada, acredita o presidente. Foto Agência IPAté agora, o Paraguai já recebeu 163 mil doses de vacinas, entre as quais 4 mil da Sputnik V, fabricada na Rússia; 20 mil da Coronavac, doadas pelo Chile; 3 mil doses da Sinaphorm, doadas pelos Emirados Árabes; e 36 mil de Astra Zenca, que chegaram via mecanismo Covax.

Em entrevista coletiva à imprensa, também nesta terça-feira, o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, disse que o governo está fazendo o esforço necessário ara adquirir vacinas e que já se comprometeu com a compra de 5,3 milhões de doses de diferentes laboratórios, enquanto outras 620 mil serão obtidas mediante doações de alguns países.

Outras 9 milhões de doses estão em processo de negociação, informou. Ele disse estar confiante que ainda este ano poderá ser imunizada grande parte da população e, desta forma, aliviar o sistema de saúde, que está sendo muito exigido.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 908 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ