Maio Amarelo: “Segurança no trânsito é fruto de ação coletiva”

O inspetor foi entrevistado no programa Marco Zero - Foto: Marcelo Oliveira/Rádio Clube FM

Eversson Cadaval, guarda municipal e integrante do Programa Vida no Trânsito, destaca o papel da sociedade; assista à entrevista.

Com ações educativas e de conscientização, a programação alusiva ao Maio Amarelo acontece durante todo o mês em Foz do Iguaçu. O objetivo é chamar a atenção da sociedade e envolvê-la na promoção da segurança e no cuidado das pessoas no trânsito.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Inspetor de área da Guarda Municipal e integrante do Programa Vida no Trânsito (PVT), Eversson Cadaval detalhou a agenda de atividades durante o programa Marco Zero, produção do H2FOZ e da Rádio Clube FM. Estão programadas blitze orientativas, ações nos semáforos, palestras e sensibilizações.

O Marco Zero é um programa conjunto produzido pelo H2FOZ e Rádio Clube FM. Entrevista, opinião, enquete, entretenimento, esporte, cultura e agenda. Todo sábado, das 10h às 12h. Participe do grupo no Whatsapp para receber as novidades. Clique aqui.

Assista à entrevista:

Na entrevista, o servidor público enfatizou que o tema adotado pelo Maio Amarelo nacionalmente é “Juntos salvamos vidas”, um chamado ao comprometimento de toda a coletividade. “A segurança no trânsito é fruto de uma ação coletiva”, sublinhou.

Cadaval discorreu sobre mobilidade e prevenção, expôs dados analisados pela equipe do Programa Vida no Trânsito e elencou os principais fatores que resultam em ocorrências. Com base nos indicadores, apontou os motociclistas como as principais vítimas de sinistros de trânsito.

“São as principais vítimas tanto de mortes quanto de sequelas referentes a acidentes em Foz do Iguaçu”, frisou Eversson Cadaval. O servidor público chamou a atenção para que seja evitada a responsabilização da vítima, referindo-se mais especificamente a trabalhadores de motoentrega.

“Muitas vezes, devido a um serviço por aplicativo, esse trabalhador é obrigado a fazer dezenas de corridas num curto espaço de tempo para levar o sustento para a sua família”, refletiu. Muitas vezes, essa atividade é exercida sem cobertura previdenciária ou auxílio à saúde”, frisou.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.