Quando a mulher usa seu poder, constrói uma sociedade com mais igualdade

Os desafios e avanços da pauta das mulheres foram debatidas durante a entrevista - Foto: Carlos Sossa/H2FOZ

A presidente do Conselho da Mulher em Foz do Iguaçu, Mara Baran, aborda políticas públicas, violência de gênero, representatividade e “lugar” da mulher; assista.

Quanto mais a mulher entender e usar o seu poder, mais saudável e igualitária será a sociedade. Essa é avaliação da psicóloga e presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher de Foz do Iguaçu, Mara Baran, em entrevista ao programa Marco Zero, no contexto das atividades alusivas ao Dia Internacional da Mulher, o #8M.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Leia também:

O Marco Zero é um programa conjunto produzido pelo H2FOZ e Rádio Clube FM. Entrevista, opinião, enquete, entretenimento, esporte, cultura e agenda. Todo sábado, das 10h às 12h. Participe do grupo no Whatsapp para receber as novidades. Clique aqui.

Marcha das Mulheres da fronteira acontece nesta terça em Foz do Iguaçu
PODCAST do H2FOZ: Dia de todas as mulheres

A ativista contextualiza o papel do machismo e do patriarcado, que têm o objetivo de manter a mulher em espaços “menores”, em um “não lugar” e “atrás do homem” em várias culturas. Defende o enfrentamento da violência de gênero – que cresceu na pandemia, afirma – por toda a sociedade e reivindica a igualdade entre homens e mulheres e representatividade.

Assista à entrevista:

“Na historicidade, a mulher é relegada a um não lugar, a espaços secundários”, reflete Mara. “A falta de equidade faz com que precisemos atuar para que esse lugar seja constituído de maneira mais combativa, o que não deveria ser. O maior desafio é a desconstrução desse ‘papel’, desse ‘lugar de mulher’, que gera desigualdade”, assevera.

A presidente do Conselho da Mulher destaca a importância de mais representatividade feminina em espaços e instâncias decisórias, ainda que tenha havido avanços. “Faz pouco tempo que temos a decisão sobre o próprio corpo. Quem mandava no corpo da mulher era o homem; senão o pai, o marido”, aponta.

Violência contra a mulher

Segundo Mara Baran, a violência de gênero aumentou na pandemia. Ela frisa que nesse período diminuiu a possibilidade de afastamento da mulher do seu agressor. “Aumentaram muito as violências e o feminicídio. Essa violência acontece geralmente no lugar em que a mulher deveria ser protegida, que é no seu lar”, expõe.

Em sua análise, um dos desafios no enfrentamento da violência é a mulher reconhecer que é vítima. “Entender que aquilo que ela está sofrendo é violência, porque fica tudo muito mascarado”, ressalta, estimulando a mulher a procurar ajuda nos serviços públicos de atendimento.

Ações e controle social

Conforme Mara Baran, a manutenção da Patrulha Maria da Penha e do Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) é um avanço da política para mulheres em Foz do Iguaçu. Destaca que o conselho mantém interlocução com os órgãos da gestão municipal e com a Câmara de Vereadores.

Ao explicar que o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher exerce o controle social das políticas públicas na área, formado por representantes da sociedade civil e do poder público, Mara convida a comunidade para participar das atividades do órgão. As reuniões plenárias ocorrem na primeira terça-feira de cada mês, em formato híbrido, presencial e on-line, que podem ser acompanhadas pelas redes sociais.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.