De olho em 2023, quando tarifa de Itaipu não incluirá os custos da dívida de sua construção.

Deputado paraguaio quer bitcoin como moeda oficial, produzida com energia de Itaipu

Os sites especializados em moedas virtuais ou criptomoedas se alvoroçaram.

Um deputado paraguaio pretende apresentar, em julho, um projeto que vai trazer regulamentações favoráveis aos negócios de criptografia, como disse o site americano Business Insider.

Carlos Rejala, do partido Hagamos (“Façamos”), quer fazer do bitcoin um meio de pagamento legalizado no Paraguai, a exemplo do que fez o presidente de El Salvador, Nayib Bukel.

E tem mais: Rejala defende que a energia das binacionais Itaipu e Yacyretá seja utilizada na mineração de criptomoeda.

É claro que, no mundo da moeda virtual, a notícia foi bem recebida.

Principalmente porque os mineradores de bitcoin “continuam sua saga incessante por energia barata, abundante e, mais recentemente, limpa”, como diz o site CoinTelegraph.

“E agora, eles parecem ter encontrado na política alguns aliados.”

Pelo Twitter, os planos do deputado, ainda sem muitos detalhes. Foto Twitter

ANEXO C

O deputado está atento às negociações do Anexo C do Tratado de Itaipu, entre o Brasil e o Paraguai. Este documento trata das bases financeiras para estabelecer o custo da tarifa de Itaipu.

Daqui a dois anos (está perto!), a dívida da construção de Itaipu estará praticamente liquidada.

Essa dívida representa 70% dos custos. Teoricamente, a tarifa da binacional poderia cair até este percentual.

E o Paraguai, se aumentar sua fatia no que usa da energia de Itaipu, poderia vender energia a preços ainda mais baixos para os consumidores (hoje já é bem mais barata que no Brasil). Os mineradores ferveriam de admiração.

CRÍTICA FEROZ

Em fotos que eles mesmos postaram no Twitter, o deputado Carlos Rejala e o economista Steve Hanke. Nos olhos do deputado, o brilho da criptomoeda.

Mas que não se pense que a adoção de bitcoins como moeda, por um país, não tem críticos. E como tem.

Quando leu no Twitter a intenção de Carlos Rejala de imitar o presidente de El Salvador, primeiro país a aceitar o bitcoin como moeda oficial, o prestigiado economista Steve Hanke, dos Estados Unidos, não se conteve.

Também no Twitter, Hanke, que é da Universidade Johns Hopkins, escreveu, conforme informou o portal RDN do Paraguai:

“O congressista do Paraguai Carlitos Rejala busca que #BTC (bitcoin) seja moeda de curso legal. Quão estúpido ele pode ser? Bitcoin NÃO é uma reserva de valor, um meio de intercâmbio ou uma unidade de conta confiável. Sua volatilidade é uma recordação obvia de que é simplesmente um ativo altamente especulativo, NÃO uma moeda.”

O QUE É A MINERAÇÃO

Mas, enfim, o que é a mineração e como nasce um bitcoin? Perguntas e respostas do site Seu Dinheiro.

Vamos ver se a gente entende. O site diz que “mineração nada mais é que a resolução de um problema, de acordo com André Franco, especialista em criptomoedas da Empiricus”.

Imagine toda uma rede de pessoas e computadores trabalhando para resolver uma equação, como por exemplo x – 2 = 0. O primeiro a chegar à solução “x = 2” recebe a recompensa pelo trabalho.

A mineração é responsável por manter de pé toda a blockchain, a rede de blocos até hoje inviolável e que traz todo o histórico de transações com a criptomoeda.

FACILITANDO

O próprio site Seu Dinheiro reconhece que ficou difícil de entender. E tenta uma comparação com uma mina de ouro.

A “Serra Pelada” dos mineradores de bitcoins é a blockchain, a rede que valida as transações da criptomoeda. No lugar de uma picareta, eles usam potentes computadores capazes de resolver inúmeras equações por segundo.

Por tentativa e erro, assim como um mineiro de ouro que escolhe um espaço para começar a cavar, é possível (ou não) ser você a pessoa que irá achar a solução para este problema.

Se você for o mineiro sortudo a encontrar a solução, a própria rede da blockchain te recompensa com o ouro (digital). É como encontrar uma caixa com as taxas de transação da rede (que podem variar de bloco para bloco) e 6,25 Bitcoins.

Assim, ao validar aquelas informações, o mineiro adiciona um bloco na blockchain e recebe sua recompensa.

CUSTO ALTO

Minerar sai caro. Tanto pelo uso de computadores poderosos como pela necessidade de mantê-los funcionando 24 horas.

Pra não esquentar demais, é necessário utilizar também potentes aparelhos de ar condicionado.

Resumo: gasta-se muita energia. E é por isso que mineradores veem com bons olhos o Paraguai.

Quanto menor o custo, maior a possibilidade de bons lucros na mineração.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 908 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ