Paraguai ocupa 2º lugar no mundo em mortes por covid-19

Recorde desta terça: número de internados em UTI. Foto Agência IP

No informe desta terça-feira, 26, o Ministério de Saúde Pública do Paraguai confirmou 117 óbitos e 3.223 novos casos de covid-19, mantendo a média alta dos últimos dias.

O mais grave é que, das 3.664 pessoas hospitalizadas, 601 delas estão em unidades de terapia intensiva, cifra recorde na pandemia.

O Paraguai soma 8.591 óbitos desde o início da pandemia e 338.914 casos positivos.

Fonte: Worldometer/MSP

SEGUNDO EM MORTES

O resultado desta terça-feira não deve ter alterado a posição do Paraguai no ranking mundial.

Na semana até segunda-feira, 25, o país ocupou o 2º lugar no mundo em mortes por covid-19, proporcionalmente à população.

Segundo a universidade Johns Hopking, o Paraguai registrou o índice de 15,7 mortes por milhão de habitantes.

Está atrás apenas do Uruguai, que durante 20 dias liderou o ranking e fechou a semana com 16,5 mortes por milhão.

A relação, até o 10º lugar, tem sete países da América do Sul: Argentina (3º lugar), Trinidad e Tobago (5º), Colômbia (6º), Brasil (7º) e Peru (9º).

Fecham a lista as Ilhas Maldivas (4º), Bahrein (8º) e Macedônia do Norte (10º lugar).

RANKING GERAL

A soma de óbitos no Paraguai, desde o inicio da pandemia, é de 8.591, o que corresponde a 1.191 mortes por 1 milhão de habitantes.

Isto é, representa apenas a metade do índice brasileiro, de 2.114 mortes por 1 milhão de habitantes, que é o 11º mais alto do mundo.

O Paraguai está na 38ª posição, sempre comparando as mortes em relação ao total da população.

Mesmo assim, a covid-19 já matou mais no Paraguai, proporcionalmente, do que na Grécia, Equador, Alemanha, África do Sul e Líbano, pra ficar em alguns exemplos.

MORTE A CADA X PESSOAS

Outro indicador, este do Worldometers: há 1 morte por covid, no Paraguai, a cada 839 habitantes. No Brasil, é o dobro: 1 morte a cada 473 brasileiros, um dos piores indicadores do mundo.

O Brasil está na 196ª posição (quanto mais alta, pior; vai até 222); o Paraguai, na 169ª. E a Argentina, na 183ª.

Mas a situação da Argentina, bem melhor que a brasileira, tinha se agravado nos sete dias até segunda-feira, 25.

O país ficou em 3ª lugar no mundo, em mortes, atrás justamente de Uruguai e Paraguai.

Em vacinas, situação do Paraguai é a pior da América do Sul. Foto Agência IP

VACINAÇÃO

Os três países, Brasil, Paraguai e Argentina, estão num ritmo de vacinação muito lento. E o Paraguai está pior.

Na Argentina, segundo o portal Our World in Data, 14% da população receberam a primeira dose da vacina anti-covid; e 5,4% as duas doses.

No Brasil, 10% receberam a primeira dose e 9,9% as duas doses.

Já o Paraguai conseguiu, até agora, imunizar apenas 2,82% dos habitantes com uma dose; e 0,73% com duas doses.

MEDIDAS DE CONTROLE

Os números recentes da pandemia apavoram médicos, enfermeiros e todos que lidam com a doença. Mas o Ministério de Saúde Pública não tem forças para pedir restrições.

Já abalado pela má condução do governo na pandemia e por não ter conseguido que a economia do país se mantivesse estável, o governo do presidente Mario Abdo Benítez não sabe o que fazer.

O pneumólogo Carlos Morínigo, do Instituto Nacional de Enfermidades Respiratórias e do Ambiente (Ineram), pede que o governo determine quarentena total por duas semanas.

Segundo ele, se não forem adotadas medidas restritivas, pacientes morrerão nas ruas, como disse ao jornal Última Hora.

Mas o governo deve se responsabilizar pela assistência econômica aos setores mais atingidos ou prejudicados com essas restrições, para que possam atender ao cumprimento delas, segundo o especialista.

“Nossa única esperança era realizar uma vacinação massiva da população, coisa impossível pela baixa quantidade de vacinas que chegam”, lamentou.

SEM RETORNO À FASE ZERO

Porém, o ministro da Saúde, Julio Borba, descartou a hipótese de o país voltar a uma quarentena restrita e total, apesar da escalada da pandemia.

Embora ele tenha dito na segunda-feira que iria avaliar com o governo mais restrições, segundo o jornal La Nación, na manhã desta terça-feira, 26, ele voltou atrás.

“Vamos sentar-nos e avaliar para ver o que mais podemos fazer, foi o que eu disse ontem. Eu em nenhum momento falei de voltar à fase zero”, garantiu.

E afirmou que serão consideradas outras medidas, que não a quarentena restrita, “para poder amenizar esta situação na qual nos encontramos”, disse.

Leia: No pior mês da pandemia, Paraguai registra novo recorde diário de casos e mortes

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1049 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ