Pobre Puerto Iguazú! Mais um fim de semana com parque fechado

Como deve estar a passarela no parque, hoje. Foto de Luz Maria Berth, de 2019, no Facebook

Desde que a fronteira foi fechada, o turismo em Puerto Iguazú – altamente dependente do Brasil – se esvaziou.

E tudo piorou quando o Parque Nacional Iguazú começou a ser fechado. É o quarto final de semana em que isso acontece.

No setor de hotelaria, este ano, um hotel fechou e o dono foi se dedicar à agricultura.

Mais recentemente, dois grandes hotéis – um deles de luxo – decidiram encerrar atividades durante o mês de junho, já que, sem movimento, os custos para manter abertos os estabelecimentos significam prejuízo.

E o comércio “está agonizando”, como disse o presidente da Câmara de Comércio de Puerto Iguazú, Joaquín Barreto.

Cerca de 90% das lojas da cidade vivem do turismo e do tráfico vicinal fronteiriço. O último não existe; o turismo vai a passos de moribundo.

Das 2.500 lojas contabilizadas pelo censo de 2018, 30% fecharam após a pandemia, com mil demissões no setor.

Que se somam às demissões no setor gastronômico e também no hoteleiro.

Nos bons tempos antes da pandemia, passarelas lotadas. Foto Paraná Tur (Argentina)

E A RECUPERAÇÃO?

Quando houver vacinas suficientes pra todo mundo, Foz do Iguaçu deve se recuperar rapidamente. Mas Puerto Iguazú vai demorar mais.

Em Foz, a ideia foi manter os atrativos turísticos abertos, mantendo os cuidados necessários.

Mesmo com queda no número de visitantes, essa medida permite que haja uma sobrevida ao setor, à espera de melhores dias.

Puerto Iguazú não teve e não tem esta sorte.

CASOS E MORTES

Embora com todas as restrições vigentes, para evitar que a pandemia se alastre ainda mais, a situação da Argentina é uma das piores do mundo, nas últimas semanas.

O país registrou 172.123 casos na última semana. Ficou em 4º lugar no mundo, atrás apenas de Índia, Brasil e Colômbia, conforme o Worldometers.

No mesmo período, esse total representou 3.776 casos por 1 milhão de habitantes. A Argentina ficou na frente de Índia, Brasil e Colômbia, mas está em 5º lugar (Uruguai está em 2º). O Brasil, em 15º, registrou 2.194 por milhão (e é muito!).

MORTES POR MILHÃO

Já no índice de mortes por milhão de habitantes, a Argentina permanece pela segunda semana seguida no 3º lugar, com o índice de 92 óbitos, atrás de Paraguai e Uruguai.

Em números absolutos, com 4.208 óbitos na semana, a Argentina ficou em 3º lugar, atrás de Índia (23.634) e Brasil (13.729).

A tradução desses índices negativos da Argentina, apesar de todas as restrições, é: a população não segue as medidas de controle da pandemia.

O governo insiste, mas se não há adesão da população, nada vai resolver.

Uma situação que se repete em qualquer país da América do Sul, onde há mais gente em bares e restaurantes do que nos países que já imunizaram grande parte da população.

Outra tradução que se pode fazer é que o governo argentino não conseguiu conciliar a questão econômica (leia-se empregos) com o combate à pandemia.

EM 24 HORAS E TOTAL

No sábado, 12, a Argentina contabilizou 18.057 casos e 447 óbitos. O total de mortes subiu para 85.075, enquanto o de casos passou a 4.111.147.

O lado positivo é que o país acelerou o plano de vacinação, com quase 2,4 milhões de doses aplicadas na última semana.

Segundo o site Our World in Data, proporcionalmente à população a Argentina superou o Brasil em vacinação.

Foram imunizadas com pelo menos uma dose 28,1% dos argentinos. No Brasil, foram 25%.

Mas há mais brasileiros que já tomaram as duas doses (11%) ante 7,1% dos argentinos.

Isto é, ambos estão atrasados em relação a países europeus.

Curiosamente, tanto o Brasil como a Argentina não aceitaram, no ano passado, os termos propostos pela Pfizer pra vender as vacinas. Poderia ser diferente?

ATRASO GERAL

Mas o ritmo na Europa ainda está distante do que se imaginava.

Depois do Reino Unido, onde 60% já receberam ao menos uma dose, só a Hungria imunizou pouco mais de 50% dos moradores.

Na América do Sul, estão bem o Chile e o Uruguai.

O Chile está em 3º lugar no mundo, com 61% de imunizados (uma ou duas doses), enquanto o Uruguai está em 5º, com 60% de vacinados.

Leia mais: Puerto Iguazú pede ajuda ao governo. “Comércio está agonizando”, diz empresário

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1144 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.