Covid-19: janeiro fecha com recorde de casos e maior registro de mortes desde agosto

Foram 18.456 confirmações, mais do que o dobro do registrado em março de 2021, pico da pandemia.

Em março do ano passado, pico da pandemia em Foz do Iguaçu, 237 vidas foram perdidas para a covid-19. Naquele mesmo mês, 5.485 pessoas contraíram o vírus. O janeiro atual tinha tudo para ser pior, com mais que o dobro do número de casos confirmados (18.456), porém isso não refletiu no total de mortes (26), apesar de ter sido o pior registro desde agosto de 2021.

Leia também: Painel com infográficos traz situação da covid-19 em tempo real

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Naquele conturbado março, a vacinação ainda era incipiente no município, com apenas 13 mil doses aplicadas em pessoas dos públicos prioritários ou de faixas etárias mais elevadas. Quase um ano depois, a imunização já alcançou toda a população, inclusive adolescentes e crianças, totalizando mais de 500 mil doses aplicadas.

Outra explicação para a menor taxa de letalidade está na variante atual, a ômicron, que apesar de ser muito mais transmissível vem apresentando menor número de casos graves. Isso também vem refletindo-se na taxa de ocupação dos leitos de UTI e de enfermaria. Em relação às UTIs, por exemplo, os 125 leitos disponíveis em março de 2021 chegaram a não ser o suficiente para suprir a demanda. Atualmente são 80, mas apenas 25 estão ocupados.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Vacy Junior - H2FOZ

Vacy Alvaro é repórter e coordenador dos infográficos do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.