‘Gato na luz’: Copel aumenta inspeção em ligações irregulares de energia

Além de crime, fraudes podem ocoasionar acidentes e desabastecimento - Foto: Marcos Labanca

Montante recuperado foi de R$ 29 milhões, totalizando 45,5 gigawatts-hora, o que representa o consumo mensal de todas as residências em uma cidade como Londrina.

A Copel encontrou 14,5 mil casos de irregularidades e desvios na medição do consumo de energia elétrica no Paraná em 2021. Essa atuação possibilitou, conforme a companhia, a recuperação de R$ 29 milhões; outros R$ 9 milhões estão em processo de cobrança.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Para a empresa, essa ação evita prejuízos à grande parcela de consumidores com contas regulares. A fiscalização da Copel é cotidiana, exercida por equipes profissionais que visam a detectar fraudes na medição de energia.

“Elas usam análise de dados para direcionar o alvo do trabalho, combinada com a observação técnica em campo”, informa a companhia. Soma-se à intervenção o uso de ferramentas que indicam interferências, mesmo quando estão camufladas, completa.

No ano passado, esse trabalho representou:

  • 74 mil inspeções em todo o Paraná;
  • média de 283 inspeções por dia útil do ano; e
  • montante de energia recuperada de 45,5 GWh (gigawatts-hora), o que equivale ao consumo mensal de todas as residências em uma cidade do porte de Londrina.

É crime

Para coibir fraudes e desvios na medição do consumo de luz, a Copel também recebe denúncias anônimas, pelo telefone 0800 51 00 116. Outra possibilidade para relatar esses casos é dirigindo-se às agências de atendimento da companhia.

“Furto de energia elétrica é crime previsto em lei: por desvio na corrente que passa no medidor, tem pena de reclusão de um a quatro anos e multa”, enfatiza a Copel. O “gato”, em que há a adulteração do medidor, caracterizado como estelionato, “tem pena de reclusão de um a cinco anos e multa”, ressalta a empresa.

Os valores devidos e o custo de instalação de um novo medidor são cobrados do responsável. “Alertamos, ainda, que o consumidor e a consumidora não se iludam com falsas promessas de redução na conta por meio da instalação de quaisquer equipamentos”, diz a engenheira Flávia Martinelli Oleinik, da Copel.

A economia na conta de energia elétrica, segundo a fornecedora, somente é possível com escolha de eletrodomésticos mais econômicos e com adoção de hábitos conscientes de economia. O furto, reforça a Copel, “pode gerar incêndios por curto-circuito, avarias em equipamentos e eletrodomésticos e até acidentes graves”.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.