H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Cláudio Dalla Benetta - H2FOZ e Assessoria

"Esqueletos" na usina: Itaipu e Unila definem calendário para buscar solução

Já de longe, o "esqueleto" maior chama a atenção de quem está na Avenida Tancredo Neves. (Foto: Unila)

O que vai acontecer com aqueles esqueletos que, um dia, seriam o prédio administrativo, o bloco de salas de aula e o restaurante do campus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, dentro da área pertencente à Itaipu Binacional?

Itaipu e Unila definiram na quinta-feira, 15, um calendário de reuniões para buscar a melhor solução para o problema. Foi o primeiro encontro do diretor-geral  brasileiro de Itaipu, Joaquim Silva e Luna, com o reitor da Unila, Gleisson   Alisson  Pereira  de  Brito,  e  o vice-reitor, Luis Evelio Garcia Acevedo.

Da esquerda para a direita, diretor de Coordenação de Itaipu,  Luiz Felipe Carbonel; diretor-geral brasileiro, Silva e Luna; assistente do diretor-geral, Rosimeri Fauth Ramada Martins; e reitor Gleisson Alisson Pereira. Foto Sara Cheida

Foi frutífero, para a Unila, já que Silva e Luna considera que "a aproximação entre as duas instituições é muito importante". E mais: que Itaipu e Unila "são exemplos de integração regional".

A Unila, por sinal, compartilha com Itaipu um espaço no Parque Tecnológico Itaipu, onde alguns cursos estão baseados.

O problema dos prédios inacabados é quesó  o custo para erguer os nove andares que faltam naquele que seria o setor administrativo, por exemplo, é mais alto do que já foi investido. Isso inviabilizaria seu uso por Itaipu, mesmo que a usina tivesse interesse em utilizá-lo para abrigar escritórios, por exemplo, em troca de outra área para a Unila.

Na estrutura abandonada, com apenas 13 (ainda em esqueleto) dos 22 andares projetados inicialmente no prédio de admnistração, foram investidos mais de R$ 120 milhões, em valores de 2014. As obras inacabadas incluem ainda o prédio para 96 salas de aula e restaurante,  

Para sediar o campus, a Itaipu Binacional doou, em 2009, uma área de 380 mil metros quadrados, localizada dentro do terreno da usina.

A construção da primeira etapa da sede da Unila, que incluía três prédios - este de 22 andares, para a administração, mais uma para salas de aula e um restaurante -, começou em 2011 e foi paralisada em 2014, com apenas 41% do previsto concluídos.

De qualquer forma, já em março deste ano, quando se encontrou com o então reitor da Unila, Gustavo Vieira, o diretor-geral brasileiro de Itaipu havia aberto um canal de diálogo com a instituição de ensino superior, para buscar uma solução "e sugerir ao Ministério da Educação um caminho", como disse na ocasião.