H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Pedestres “disputam” com carros para atravessar a Avenida República Argentina

Pedestres “disputam” com carros para atravessar a Avenida República Argentina
["Acesso a supermercado e pontos de \u00f4nibus prejudicado pela falta de sinaliza\u00e7\u00e3o para pedestres "] (Foto: Marcos Labanca/H2FOZ)

H2FOZ - Paulo Bogler. Fotos: Marcos Labanca

Ir e vir das compras ou retornar para a casa após desembarcar do ônibus devem ser situações comuns para as pessoas. Não para muitos moradores do bairro Vila Borges, na região próxima ao Morumbi. Eles pedem à prefeitura melhorias na infraestrutura do bairro para terem mais mobilidade e qualidade de vida.

O primeiro problema apontado é atravessar a Avenida República Argentina. Após descer do ônibus ou para se chegar ao principal supermercado da região, quem mora ou passa pela Rua Pedro Carneiro Pereira – que fica em frente ao estabelecimento comercial – não dispõe de sinalização para pedestres.

Ir às compras é um desafio diário para moradores da Rua Pedro Carneiro Pereira.

Para cruzar a avenida com segurança, é preciso andar até os semáforos da Avenida Jules Rimet, em direção ao Morumbi, ou da Rua Osvaldo Goch, que leva ao Condomínio Mega Villa. A reportagem acompanhou várias situações em que moradores do bairro – e da região próxima – atravessam a República Argentina “disputando” a passagem com veículos.
 
Residente há 15 anos na Vila Borges, a aposentada Edite Simon pede a instalação de uma faixa elevada na Avenida República Argentina. Com problemas de saúde que interferem em sua mobilidade, ela diz que consegue fazer compras somente com a ajuda de vizinhos, que a levam de carro até o supermercado.

Edite Simon - “Em nossa rua há idosos, cadeirantes, mães com bebês e pessoas com deficiência visual”.

“Em nossa rua há idosos, cadeirantes, mães com bebês e pessoas com deficiência visual. Imagina como é difícil para essas pessoas atravessarem a Avenida República Argentina sem faixa perto”, contou Edite. “É uma obra simples, mas que traria muita qualidade de vida para nós”, expôs a aposentada.

Autônoma, Valéria Meireles mora perto da Vila Borges e sempre vai ao supermercado que fica na região. “Esse trecho da avenida é muito movimentado. A sinalização para pedestres é fundamental. Temos que ‘disputar’ com os carros, e fica mais difícil com compras ou para pessoas com carrinho de bebê”, apontou.  

Valéria Meireles – “Trecho muito movimentado, a sinalização para pedestres é fundamental”.

Asfalto, limpeza de bocas de lobo e calçadas

Outra reivindicação dos moradores é o recapeamento asfáltico da Rua Pedro Carneiro Pereira, no trecho que fica entre a Avenida República Argentina e a Rua Belford Duarte. De acordo com Edite Simon, a comunidade pede essa obra há décadas.

“Como a faixa de pedestre, o asfalto é uma obra necessária para nos locomovermos a pé, sem passar pelos buracos e pedras irregulares”, frisou a moradora. Ela questiona os critérios usados pela prefeitura para dar preferência ao recapeamento de ruas. “Aqui perto de nós, a Alameda Fúlvio Gallo acaba de ser asfaltada. É uma rua de uma quadra só e sem saída. Qual é o critério?”

“Pagamos nossos impostos”, diz Dilceu Friedrich, com o a taxa para a escritura de sua casa em mãos”.

Residente há mais de 20 anos na Rua Pedro Carneiro Pereira, o garçom Dilceu Friedrich apresenta outro drama enfrentado pela comunidade da Vila Borges: os alagamentos das ruas e casas provocados pelas chuvas. Segundo ele, uma das causas desses problemas é o entupimento de bocas de lobo.

“Com dois dias de trabalho da prefeitura, limpariam todas as bocas de lobo da Avenida República Argentina e da Vila Borges”, apontou. “Sempre que chove entra água nas casas, e muitas pessoas têm prejuízos. As crianças não podem ir para a escola e ao centro de educação infantil que ficam no bairro. Os moradores não conseguem nem ir ao posto de saúde, pois quando chove se criam piscinas nas ruas”, reclamou Dilceu.

Calçamento com buracos e falta de calçadas comprometem a mobilidade dos moradores.

Os moradores que procuraram a reportagem do H2FOZ ainda reclamaram da falta de calçadas em dois terrenos que ficam na esquina da Rua Pedro Carneiro Pereira com a Avenida República Argentina. Pedem providências à prefeitura, também, para a instalação de lixeiras públicas na avenida, no perímetro do bairro.  

Com bocas de lobo entupidas, aumentam os alagamentos em ruas e casas da Vila Borges – foto Dilceu Friedrich.

Mobilização

Para obter as melhorias na Vila Borges, os moradores buscaram a intermediação da Câmara Municipal. Eles promoveram uma reunião na comunidade com o vereador Celino Fertrin (PDT), com a participação de mais ou menos 30 pessoas. O parlamentar assumiu o compromisso de levar as demandas à prefeitura.

Comunidade se organiza para reivindicar melhorias – foto Dilceu Friedrich.

Com base nas reclamações da população, o vereador fez várias indicações à gestão municipal: nº 19, de 11 de abril, para o asfalto; nº 678, de 16 de abril, para faixa elevada em frente à Gente; nº 673, de 15 de abril, para sinalização vertical e horizontal na Avenida República Argentina, em frente à Rua Pedro Carneiro Pereira; nº 557, de 29 de março, para limpeza das bocas de lobo no bairro; nº 340, de 22 de fevereiro, para limpeza de bocas de lobo da Avenida República Argentina.

“Foram feitas as indicações junto ao governo municipal, e nos reunimos com a Secretaria de Obras”, disse Celino Fertrin. “Porém não nos posicionaram sobre previsão dos serviços ainda. Estamos cobrando todos os dias e acompanhando as demandas solicitadas”, afirmou.

Respostas da Prefeitura de Foz

Por meio da Assessoria de Comunicação, a prefeitura informou sobre o atendimento às obras e serviços reivindicados pelos moradores da Vila Borges. O texto das respostas está na íntegra.

Asfalto

A Rua Pedro Carneiro Pereira será pavimentada no segundo semestre deste ano. A prioridade serão os trechos de ligação com ruas já asfaltadas.

Os critérios utilizados pela Secretaria de Obras para recapeamento ou pavimentação em qualquer região da cidade é sempre para ruas e avenidas com maior fluxo de pessoas e circulação de veículos; próximas a escolas, CMEIs e unidades básicas de saúde, e também onde residam pessoas com mobilidade reduzida, deficientes físicos e idosos.
 
Quanto à Alameda Fúlvio Gallo, a pavimentação era uma reivindicação antiga dos moradores e foi atendida pelo governo municipal, que já estava executando obras naquela região.

Pedestres “disputam” a avenida República Argentina com carros, ônibus e caminhões.

Faixa elevada

As faixas elevadas servem para melhorar as condições de acessibilidade e segurança dos pedestres em vias públicas, uma vez que reduzem a velocidade dos automóveis. Porém, é preciso lembrar que elas não são obrigatórias ou uma condição para a sinalização estar correta. Os condutores devem estar atentos à velocidade permitida da via, sempre respeitando a faixa de pedestres.

A instalação de uma faixa elevada depende da análise do Foztrans, por isso é importante protocolar o pedido na autarquia.

A segurança dos motoristas e pedestres será reforçada com o início do funcionamento dos aparelhos de fiscalização eletrônica – em fase final de instalação. Três pontos da Avenida República Argentina receberão os equipamentos, capazes de identificar alta velocidade, avanço no sinal vermelho e parada sobre a faixa, reduzindo desta forma o número de acidentes.  

Bocas de lobo

As limpezas nas bocas de lobo estão sendo feitas em diversas regiões da cidade e integram as ações de combate à dengue. Em até 15 dias o serviço será executado na região da Vila Borges.

Calçadas

A Secretaria da Fazenda já notificou estes proprietários há mais de três meses e aguarda a execução da obra.

Lixeiras públicas

A Secretaria de Meio Ambiente já instalou 142 kits (cada kit composto por duas lixeiras: uma verde para materiais recicláveis e uma cinza para rejeitos). Nos próximos dias serão instalados outros 6 kits entre as avenidas Pôr do Sol até a Jules Rimet. Serão, ao todo, 400 novos kits instalados de forma gradativa por toda a cidade.

Vila Borges, retratos

Sem calçadas em parte da Rua Pedro Carneiro Pereira, moradores são obrigados a andar pela via.
O mato alto obstrui a passagem de pedestres e prejudica a sinalização.
Moradores pedem a instalação de lixeiras públicas.
Formação de alagados durante as chuvas ajudam a danificar as vias públicas.
Sinalização na avenida é necessária para a segurança dos pedestres.
Para passar pela faixa, quem mora ou usa a Rua Pedro Carneiro Pereira precisa percorrer um grande trajeto.
Nos terrenos sem calçadas se acumulam restos de móveis e lixo.

 

X