H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Aida Franco - Especial para o H2FOZ

Um brilho no olhar, de quem percebe a capacidade de desenvolver suas habilidades 

Um brilho no olhar, de quem percebe a capacidade de desenvolver suas habilidades 
Joseane Pontes, percebe o entusiasmo dos alunos que ganham o papel de protagonistas sob o olhar dos professores. (Foto: Divulgação)

A professora Joseane Pontes é a responsável pela disciplina Industry 4.0. Graduada em Ciências Econômicas e Administração, a doutora em Engenharia de Produção fala com entusiasmo sobre o que significa acompanhar o aluno que entra inseguro em uma empresa e, através dessa metologia, ao término da etapa exibe um crescimento profissional e pessoal exemplar. 

Desafios

O primeiro desafio é estar atenta ao mercado, um desafio de saber ser ‘coach’ uma pessoa que observa, não necessariamente que vai fazer a coisa a dar resultado, mas está  ajudando as pessoas a fazerem isso. A gente se envolve de um outro jeito, tem que ter parte teórica e uma visão da prática  muito refinadas e lidar com o ensino de uma forma diferente, ao em vez de dar o peixe, ensina o aluno a pescar. 

É o estímulo ao desenvolvimento de suas habilidades, observando  o tempo todo se elas estão evoluindo. Você não deixa para o final, a prova é no dia a dia, o tempo todo. 

É um desafio muito grande como professora, ficar atenta ao detalhes, atenta a esse crescimento em torno de hard e softwares, pois essa Geração Z é imediatista, muito mais rápida, então a gente não pode demorar muito senão eles acabam ficndo um pouco desmotivados. 

Essa dinâmica de ensinar a teoria e ir para empresa colocar em prática é muito a cara deles e a gente nota uma motivação no olhar e isso acaba sendo uma alegria para a gente como educador. Quando o aluno consegue pegar a parte prática e desenvolver suas habilidades  conceituais e ao mesmo tempo as habilidades teóricas, então a gente consegue ver essa aplicação o tempo todo e é muito gratificante! Então nós, como professores, temos que estar atento o tempo todo com a teoria e a prática.

É desafiador para o aluno como para  professor. Esse contato com a indústria, desenvolvendo habilidades também e ao mesmo tempo sabendo que o professor está aprendendo o tempo todo com os alunos, inclusive a gente deixa de ser o protagonista em sala de aula para que eles sejam os protagonista. Há uma mudança de papeis e  isso é de uma generosidade... Não que nós sejamos generosos, mas há uma mudanca de papeis, hoje em uma disciplina dessa eu sou mais 'coach', saindo do pedestal, e acompanhando esses projetos. Há uma quebra de paradigmas, de muitos anos atrás, que o professor sabia tudo. A gente ajuda, a gente auxilia e isso cria um vínculo de parceria entre o aluno professor, empresa e aluno que é muito importante. É um desafio e esse é o maior ganho pra gente, algo muito bonito de se ver. 


Brilho no olhar

Observo, o brilho no olhar é outro... É impressionante perceber quando o aluno  está motivado ou não,  quando ele está com a 'mão na massa', realmente entrosado com a empresa, observando a teoria ser praticada na empresa, o aluno  toma para si como um embrião que ele precisa desenvolver e ao final virar gente,  algo mais concretizado. Há um ganho de responsabilidade, aprende a se relacionar, aprende a lidar com a cultura empresarial.

Alguns muito tímidos começam a se soltar mais e melhoram a comunicação, mudam a postura de voz, entendem que há uma hierarquia, e eles precisam trabalhar em equipe senão o projeto não sai. Essa aprendizagem é muito maior que somente a parte técnica, a parte que a gente precisa ensinar de sala de aula. Eles não aprendem somente sobre qualidade, desenvolver uma ferramente, viabilidade  econômica ou a parte técnica de um processo. Mas,  mais que tudo isso,  aprendem a se relacionarem melhor com as pessoas, ser um profissional melhor, aprimoram a liderança, modelando um perfil pró ativo com mais responsabilidade. Ver isso acontecer na prática é satisfatório e motivador para o professor. Os alunos retornam e falam o quanto a disiciplina foi importante no processo de crescimento pessoal deles. Com a disciplina, esse processo de amadurecimento, necessário para que possam entrar no mercado de trabalho, facilita e torna mais rápido a abertura dessas portas. 
 

Crescimento

Os alunos acabam adquirindo essa autogestão, eles começam muito jovens na universidade, alguns com 17 anos, eles são uma geração rápida, eles são curiosos e não são motivados aprender como antigamente. A gente observa o crescimento deles no decorrer do  tempo que entram na universidade e eles agarram essa possibilidade, eles fazem a gestão do tempo deles, autogerem as equipes,  eles se sentem livres para se responsabilizarem com algo muito importante. É um crescimento de aprendizado técnico deles, teórico, mas conceitual também, pois aprendem a teoria exercitando e vão atrás de outros professores em busca de conhecimento. Eles aprendem a aplicar isso.  

É um desafio muito grande chegar até a indústria e fazer um projeto dessa magnitude, é muito difícil conseguir a confiança das empresas para trabalhar do jeito como temos feito. Para o professor daria menos trabalhar do jeito tradicional, aplicando uma prova convencional,  ser protagonista das aulas, não utilizar metodologia invertida, ou seja, dar aula que as gerações anteriores tinham. Mas para o educador que gosta não so do trabalho, mas de gente e  pessoas é de uma emoção observar o crescimento desses alunos, o quanto eles acabam se interessando, brilhando os olhos. E em um olhar a gente observa a gratidão, pois a gente percebe que eles vão além, eles dão mais do que a gente pede, na sua maioria, o que é muito bonito e gratificante. Não tem nada que pague a gratidão,  uma vantagem muito maior que qualquer desafio e é muito bacana perceber essa melhoria e com o tempo os alunos aproxima-sem e perguntam se não é difícil entrar em uma disciplina desse nível, se conseguirão  fazer o que os colegas estão fazendo... Então, para eles é desafiador também. O benefício é muito maior que qualquer desafio. É preciso que sair do 'status quo', se movimentar, conseguir qualquer coisa, inclusive na educação. 

 

REPORTAGEM COMPLETA


UTFPR aposta na geração Z e acelera a indústria 4.0 com parcerias no Centro Sul do Paraná 

Um brilho no olhar, de quem percebe a capacidade de desenvolver suas habilidades  

União entre Continental e UTFPR é uma 'mão na roda' para indústria e Universidade

Hoje mestranda, acadêmica que entrou 'perdida' na UTFPR estuda os sistemas produtivos sustentáveis na Engenharia de Produção

Depois do projeto na Tetra Pak, Gustavo foi estagiar na Empresa

Estudante de Roraima dá nota dez à experiência inovadora