Residencial Angatuba: Câmara pede informações à prefeitura sobre sorteio de moradias 

H2FOZ – Paulo Bogler 

Por unanimidade, vereadores aprovaram, em sessão nesta terça-feira, 18, requerimento à prefeitura em que pedem informações sobre o sorteio de moradias no Conjunto Angatuba, realizado no último mês de julho. O pedido de esclarecimentos é de autoria do vereador Rudinei de Moura (Patriota).

Conforme o autor do requerimento, vereadores receberam vídeos e reclamações da população referentes a pessoas que teriam sido sorteadas para receber os apartamentos, mas que não teriam garantias de que receberão os imóveis. O residencial, que fica na região de Três Lagoas, está em fase final de construção. 

“É muito preocupante, pois a pessoa foi sorteada, ao vivo, por duas vezes. Então ela entra em contato [com o instituto de habitação da prefeitura] e recebe a triste informação de que ela vai entrar numa possibilidade de receber a casa, sem saber quando”, disse Rudinei de Moura, referindo-se a um caso. 

Ao H2FOZ, a assessoria da prefeitura informou que pessoas sorteadas serão contempladas com as unidades habitacionais. “A lista com todas as pessoas sorteadas foi publicada no Diário Oficial. Cerca de 80% já entregou a documentação no Fozhabita, que já encaminhou para a Caixa”, relatou. 

Na sessão do Legislativo, a matéria gerou amplo debate entre os vereadores. O presidente da Câmara, Beni Rodrigues (PTB), narrou que recebeu ligações e mensagens com reclamações. Segundo ele, essas pessoas “foram sorteadas e, ao providenciar a documentação, foram informadas de que não estava garantido”. 

A vereadora Nanci Rafagnin Andreola (DEM) apresentou seu relato. “Eu também tenho umas duas reclamações. Foram até a casa de uma senhora e não a encontraram. Ela vai ter que entrar na fila novamente. Imagina sua decepção. É um crime uma pessoa de idade como ela perder essa casa”, frisou. 

Já Celino Fertrin (Podemos) foi além dos questionamentos sobre o sorteio. “E uma pergunta ainda mais que a gente faz: que obras foram feitas pelo Fozhabita nesses quatros anos? O Residencial Angatuba é obra federal, não tem um centavo da prefeitura e do estado, e agora está frustrando pessoas”, ressaltou o vereador. 

Coube a Marcio Rosa (PSD) a defesa dos procedimentos da prefeitura. “Após ver o vídeo [com reclamação do sorteio, na internet], fui me informar. Quem fez o vídeo faltou com a verdade. Quem foi sorteado será contemplado. Teve um lapso, pois algumas pessoas não foram localizadas por telefone, então as equipes foram até as casas”, sustentou. 

Contrato é feito pela Caixa 

O sorteio de unidades habitacionais do Residencial Angatuba foi realizado pela prefeitura, a partir de lista com três mil pessoas inscritas no cadastro do Fozhabita. O processo de análise de documentação e assinatura do contrato é feito pela Caixa Econômica Federal (CEF). O empreendimento tem 340 apartamentos, dos quais 136 foram reservados para proprietários de moradias do Condomínio Duque de Caxias. 

“Essa documentação não passa pelo Fozhabita, é uma negociação direta da Caixa com os moradores”, indicou a assessoria da prefeitura. “Não há uma data certa para a entrega [das moradias], a previsão é que os contratos sejam assinados no final de agosto e no mês de setembro. Isso depende da Caixa.”

“O Fozhabita possui duas assistentes sociais que estão recebendo esta documentação conforme agendamento”, expôs a prefeitura. “O que tem ocorrido também é que as pessoas marcam e não comparecem. Existem pessoas que já remarcaram três vezes, e ainda não apareceram. Mas isso segue em andamento.”

Residencial 

Os apartamentos do Residencial Angatuba são de 48 metros quadrados, com dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. O  investimento é de R$ 27 milhões, financiados pelo Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), operacionalizado pela Caixa Econômica Federal. 

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.