Alvo de operação policial em condomínio de luxo do Paraguai é brasileiro

Siga a gente no

Ele é um dos suspeitos procurados pela Operação Turfe da Polícia Federal do Brasil, que contou com apoio da Senad.

A mansão que agentes da Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai invadiram nesta segunda-feira, 15, em busca de um dos suspeitos de chefiar uma quadrilha internacional que trafica cocaína para o Brasil e a Europa, é de um brasileiro.

O suspeito, no entanto, conseguiu fugir. Ele teria sido informado por seguranças do condomínio de luxo Paraná Country Club, de Hernandarias, e abandonou o local por uma saída alternativa, a bordo de uma caminhonete.

“Na portaria (do condomínio), eles nos detiveram por um tempo inexplicável. E nas câmeras de segurança se vê como nosso alvo escapava, enquanto nós esperávamos para entrar”, disse à rádio Monumental 1080 AM o promotor Manuel Rojas.

Ele e o também promotor Elvio Aguilera lideraram as buscas dentro das investigações por tráfico internacional de drogas, que no Brasil ganhou o nome de Operação Turfe, já que os traficantes lavavam dinheiro ilegal na compra de cavalos de corrida.

Vida de luxo: nos fundos da mansão, uma bela piscina. Foto: Senad
A mansão, vista de cima, em todo seu gigantismo. Captura de tela de imagem da Rádio Paraguay

DETENÇÕES

Manuel Rojas disse que foram obrigados a entrar à força no condomínio. Uma das familiares do suspeito chegou a bloquear com um veículo a passagem dos promotores e dos agentes da Secretaria Nacional Antidrogas.

Tanto a mulher como cerca de 20 seguranças do Paraná Country Clube foram detidos por suspeita de facilitar a fuga.

Segundo o promotor, o brasileiro, identificado pelas inicias L.F., é suspeito de ser o principal responsável pelo envio de 23 toneladas da cocaína apreendida na Europa, no ano passado. Haveria vínculos também com outras apreensões feitas no Paraguai.

Não é de estranhar outra informação prestada pelos promotores: o brasileiro suspeito de chefiar uma organização criminosa de tráfico internacional de drogas tinha dois habeas corpus que lhe permitiam circular livremente pelo Paraguai.

A organização é composta por brasileiros, que levam a cocaína do Paraguai ao Brasil e, daqui, à Europa, em contêineres embarcados nos portos de Paranaguá e Santos.

Com a fuga do suspeito, promotores e policiais fizeram buscas minuciosas na casa dele e também na sua empresa, em Ciudad del Este. Ele teria outras propriedades no Paraguai, o que leva os promotores a suspeitar também de lavagem de dinheiro no país.

Buscas de documentos, para confirmar se o suspeito é de fato chefe da quadrilha internacional de traficantes. Foto: Senad
O quarto também foi vistoriado, em busca de evidências. Foto Senad
Nas buscas, foi encontrada esta metralhadora. Foto: Senad

LEIA MAIS

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

-->