Caçambas e um tesouro desperdiçado

O resíduo depositado nas caçambas poderia muito bem ser reduzido e reaproveitado,. Isso geraria economia para quem constrói e benefícios a quem o reaproveitaria

Apoie! Siga-nos no Google News

Por AIDA FRANCO LIMA | OPINIÃO

Elas estão por toda a parte. Nas vagas de estacionamento. Embaixo de uma árvore frondosa ou na esquina tirando a visão da rua e, muitas vezes, atrapalhando o trânsito. Estão presentes na frente da construção, sinalizando o quanto de material é desperdiçado em uma simples reforma. São as caçambas de resíduos. Já reparou nelas? Já observou a variedade de materiais ali jogados?

Havia um tempo em que os entulhos de uma obra nem eram tantos assim. Sem tantas opções no mercado, as cerâmicas, azulejos, portas, janelas, telhas, entre outras, eram padrões e as sobras também. E a quem competia a retirada dos entulhos eram os carroceiros e os fretistas. Mas hoje o domínio é delas, o mercado das caçambas, dos papa-entulhos.

Nesse tempo aí que não volta mais, popularizou-se inclusive o uso de um tipo de ladrilho, com pedaços de cerâmicas vermelhinhos. Você talvez tenha até morado ou frequentado casas assim. Caquinhos que eram jogados como entulhos. Mas depois que um trabalhador usou para revestir o piso de seu quintal, porque não podia comprar a peça inteira, virou febre. Ganhou fama! Tanto é que a indústria passou a quebrar a peça original, pois o mercado queria os caquinhos. Essa história viralizou quando o engenheiro civil, professor e historiador Manoel Henrique Campos Botelho a contou em 2013.

Fico me perguntado: quando será que a indústria vai transformar o conteúdo das caçambas, em galinha dos ovos de ouro? Quando é que o mercado vai ficar de olho nos caquinhos contidos nas caçambas.

Não sou engenheira, passo longe das exatas, mas gostaria muito de calcular o quanto de dinheiro está depositado em cada caçamba. Composta de material que saiu das indústrias, nelas a matéria-prima está lapidada. E estamos descartando!

Estudos da USP indicam que as perdas materiais, em uma construção, podem chegar a 8% e as financeiras, a até 30% ! É muito dinheiro indo pelo ralo. Além de todo esse desperdício, há o grave problema do destino desse conteúdo, que na verdade é transformado em um acumulado de lixo, inclusive doméstico. Repare nas caçambas que tem no seu caminho, no seu bairro. Certamente tem uma sacolinha de lixo, meticulosamente amarrada e arremessada ali.

Me lembrei de uma matéria informativa que uma vez escrevi sobre uma professora que estava reformando sua casa e algum vizinho resolveu que a caçamba também poderia ser sua lixeira. Inconformada, ela escreveu bilhetes na caçamba, dizendo que estava de olho e que a pessoa folgada, estava sendo filmada. Eu passei pelo local, os recados me chamaram a atenção e fui entrevistá-la. Ela contou que não aguentava mais tirar lixo dali. Se foram os bilhetes ou a matéria, houve resultado prático e o (a) vizinha (o) folgado (a) deixou a ela e a caçamba em paz.

Em outra oportunidade, flagrei meu vizinho recém mudado na casa, jogando a sobra de jardinagem dele na caçamba que havíamos locado, para jogar entulhos da reforma. Eu o chamei e falei que ali eram só sobras da construção, que foi o que a empresa responsável informou. E ele me perguntou: “E o que eu vou fazer?” E respondi o óbvio: “O senhor vai precisar retirar as sobras da jardinagem que colocou lá…”. Se ele gostou? Claro que não. Se ele fez a retirada? Claro, que sim.

Comecei esse artigo falando do modo como os entulhos são tratados como lixo e terminei dizendo que as caçambas são transformadas em lixeiras! Precisamos ajustar essa rota. Estamos indo para um beco sem saída, se continuarmos com tanto desperdício. A pessoa mais humilde, que não tem um emprego formal, busca no lixo produtos que possa vender para lhe render algum dinheiro. E do outro lado da ponta, profissionais preparados, precisam aprender essa lição: reduzir o desperdício e reaproveitar materiais manufaturados é urgente. Do contrário, nossas grandiosas riquezas naturais, continuarão sendo tratadas como caquinhos, antes da fama.

E o valor do aluguel de uma caçamba, já se informou a respeito? E esse material todo recolhido, para onde ele vai? Se for jogado em erosões, estamos criando um outro problema. Se for em áreas de nascentes, problema também. Se depositado em uma área qualquer, sem licenciamento ambiental, o que necessariamente não garante que não haverá impacto, pior ainda. Ou seja. As caçambas lotadas de resíduos recicláveis, tóxicos, compostos diversos, são apenas a ponta do iceberg.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail portal@h2foz.com.br

LEIA TAMBÉM