Denúncias de fura-fila da vacina no estado passam de 200 em uma semana

Lei que prevê pena de prisão e multa a quem furar a fila para vacinação é aprovada na Câmara Federal.

Em pouco mais de uma semana, a Controladoria-Geral do Estado (CGE) recebeu 217 denúncias de fura-fila da vacinação contra a covid-19. Os casos podem ser informados por qualquer cidadão, de forma anônima, no site do órgão, WhatsApp ou telefone gratuito.

A CGE faz o cruzamento das informações e visita prefeituras que receberam o imunizante. Preservando a identidade dos envolvidos, a controladoria publica a lista das regionais de saúde com os casos suspeitos de pessoas que não esperaram sua vez para receber a dose.

Na 9ª Regional de Saúde, que abrange Foz do Iguaçu e mais oito cidades, dois casos suspeitos de fura-fila foram denunciados ao órgão de controle do estado, até a última quarta-feira, 10. A relação é divulgada na página Paraná sem Fura-Fila, em www.coronavirus.pr.gov.br, na área destinada à vacinação.

De acordo com a CGE, as informações são tratadas de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados. “O material recepcionado com relação a fura-filas é enviado ao Ministério Público, responsável pela apuração em municípios e eventual processo judicial”, informa o órgão.

Canais de denúncia 

Para denunciar casos de fura-fila da vacinação, qualquer pessoa pode utilizar os telefones 0800 041 1113 e (41) 3883-4014, este que atende pelo aplicativo WhatsApp. Pela internet, há um botão específico no portal www.coronavirus.pr.gov.br, mas também é possível fazer o registro em www.cge.pr.gov.br, na aba Ouvidoria. As denúncias ainda são recebidas pelo e-mail [email protected]

Multa e prisão

A Câmara dos Deputados aprovou, nessa quinta-feira, 11, o Projeto de Lei (PL) 25/21, que criminaliza o ato de furar a fila da imunização. “A infração de ordem de prioridade de vacinação, também caracterizada como afronta à operacionalização de plano de imunização, pode resultar em pena de reclusão de um a três anos e multa”, informou a Agência Câmara.

O objetivo é coibir a prática de fura-fila contra o novo coronavírus, embora o PL trate da vacinação de forma geral. A pena prevista no projeto é elevada em um terço se o agente falsifica atestado, declaração, certidão e outros documentos. A matéria segue para análise no Senado Federal.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.