A chegada das 4 mil doses. Foto ABC Color

Paraguai recebe (pouquíssimas) doses de vacina. O resto ainda é promessa

O ministro de Saúde Pública do Paraguai, Julio Mazzoleni, disse que na semana que vem a Organização Mundial da Saúde vai informar sobre o envio de vacinas adquiridas pelo Mecanismo Covax.

Há ainda o possível anúncio do cronograma de envio de vacinas Sputnik V, depois do diálogo entre o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, e o da Rússia, Vladimir Putin, informa a agência de notícias paraguaia IP.

O ministro participou do primeiro lote de duas mil vacinas Sputnik V, que chegaram na quinta-feira à noite a Assunção. O número é tão baixo que provocou muitas piadinhas na Internet, segundo o jornal ABC Color.

O jornal estranha que o Paraguai já tenha pago US$ 6,8 milhões, há quatro meses, para adquirir 4,3 milhões de de doses do mecanismo Covax, da Organização Mundial da Saúde, e também tenha quitado metade da compra de 1 milhão de doses da Sputnik V, com o Fundo Russo de Investimentos.

“No entanto, não há datas concretas que indiquem quando se continuará com a vacinação”, critica o jornal.

As vacinas que chegaram ontem de Moscou (depois de escala nos Estados Unidos e na Colômbia) foram levadas, em caminhão refrigerado, para a sede do Programa Ampliado de Imunizações, de onde serão distribuídas para os locais de vacinação, que começa na segunda-feira, 22.

Como a Sputnik V exige a aplicação de duas doses, apenas os 2 mil profissionais de saúde que atuam diretamente nas UTIs serão imunizados.

A plataforma criada pelo Ministério da Saúde para que os profissionais do setor se credenciassem a receber vacinas tem mais de 33 mil nomes, segundo a diretora de Coordenação de Regiões Sanitárias do Ministério da Saúde.

Isso gerou uma crítica do infectólogo e ex-ministro de Saúde Antonio Arbo. “O coronavírus tem sido uma tragédia e vai continuar sendo uma tragédia para o país até o momento em que não haja uma vacina. É totalmente injusto que se façam listas de pessoas e somente se tenha umas 4 mil doses”, lamentou.

Nesta quinta-feira, 18, o Paraguai passou a casa de 3 mil mortes. Até agora, são exatamente 3.008 óbitos, enquanto os casos positivos subiram para 148.622.

Estão hospitalizadas 858 pessoas, das quais 240 estão em unidades de terapia intensiva. O país já se ressente da falta de leitos de UTI.

As maiores preocupações são com o aumento de casos em Alto Paraná, onde há uma segunda onda da pandemia já confirmada; um surto importante no departamento de Caazaá; e no departamento de Itapúa, os números mais altos nestas três semanas para esta parte do país.

Foi confirmado também o primeiro caso de reinfecção

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 908 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ