Nem a chipa paraguaia, tradição da Semana Santa, escapou da crise

Os ingredientes subiram e a chipa também não escapou.

Subiu o preço do ovo, das farinhas de trigo e de mandioca e até o queijo.

Tradicional na Semana Santa do Paraguai, quando é preparada para os dias de jejum, a chipa também foi atingida pela inflação, que já havia provocado aumentos no preço do pão.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

Depois que subiu o preço do ovo, da farinha de trigo, da farinha de mandioca e do queijo, a chipa não resistiu e teve também aumento. Mas menos que o pão, que aumentou 1.500 guaranis no Paraguai (R$ 1,09, pelo câmbio oficial).

No Mercado de Assunção, a chipa também sofreu o impacto: ficou 800 guaranis mais cara (R$ 0,58), como noticiou o jornal Última Hora.

TRADIÇÃO

A chipa paraguaia é herança da gastronomia guarani. Na Semana Santa, ela ganha protagonismo durante o “chipa apo” (cozinhar chipa, em idioma guarani), quando é preparada previamente para consumo na Semana Santa, porque dura muitos dias sem estragar.

Ainda persiste no Paraguai, principalmente no interior, a tradição de a própria familia preparar a chipa na quarta-feira da Semana Santa, para os dias prévios à Páscoa.

Para os que seguem à risca a tradição, a Semana Santa deve ser passada com a família em confinamento, com a chipa como companheira.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.