Educadores de Foz e região fazem encontros on-line por escolas para organizar greve

De acordo com a categoria, a paralisação na rede estadual terá início no dia 18 de fevereiro, por tempo indeterminado.

A APP-Sindicato/Foz está realizando encontros regionais, por escolas e municípios, para organizar a greve de professores e funcionários a partir do próximo dia 18. O objetivo é envolver a categoria na preparação do movimento e debater as pautas e formas de mobilização.

Leia também:

Aulas presenciais nas escolas estaduais são adiadas; ano letivo é mantido para o dia 18

A paralisação será por tempo indeterminado. Os educadores são contrários à volta às aulas presenciais sem haver condições de segurança e proteção sanitária a profissionais, adolescentes e jovens que estudam na rede estadual de ensino. O movimento foi aprovado em assembleia da categoria.

Para a participação nos encontros, foram agrupadas escolas por áreas da cidade de Foz do Iguaçu. Na região, o critério foi o da proximidade dos municípios. As reuniões regionalizadas promovem a aproximação entre o comando de greve, a direção sindical e os educadores, bem como facilita o fluxo de informações.

Reunião on-line de professores e funcionários – Foto: Reprodução

A greve foi a opção escolhida pelos educadores para exigir do Governo do Paraná diálogo e atendimento à pauta trabalhista e educacional. A categoria exige a reposição das perdas salariais, pagamento de promoções e fim da política de desemprego de trabalhadores temporários (PSSs) e funcionários de escolas, por causa da terceirização.

“O governo recuou e adiou o início das aulas presenciais que estavam marcadas para o dia 18 de fevereiro”, frisa o presidente da APP-Sindicato/Foz, Diego Valdez. “Isso mostra o planejamento equivocado e a falta de segurança em torno de uma decisão que põe vidas em risco. Para a categoria, isso não muda nada, a greve está em construção”, enfatiza.

Ensino remoto não garantiu aprendizagem

A decisão coletiva pela paralisação, explica o dirigente sindical, prevê a suspensão das atividades presenciais e remotas. “O governo manteve o início do ano letivo para rever conteúdos do ano passado. Ou seja, reconhece que o ensino remoto que ele impôs não garantiu a aprendizagem aos estudantes”, destaca.

“Em vez de promover o diálogo com todos os segmentos envolvidos na educação pública, para a tomada de decisões seguras, a gestão estadual prefere dar seguimento a um sistema ineficiente de ensino”, reflete Diego. “E o próprio governo promove a aglomeração de pessoas, já que as escolas serão abertas para a comunidade escolar”, denuncia.

Militarização e cortes de aulas e turmas

A greve dos educadores ainda pauta a revogação da medida do Governo do Paraná que cortou aulas de Artes, Filosofia e Sociologia, e questiona a militarização de escolas com fechamento de turmas à noite, prejudicando principalmente estudantes de regiões populares. A redução de turmas da educação de jovens e adultos também é um item da paralisação.

Seed defende segurança do modelo híbrido 

A Secretaria Estadual de Educação (Seed) sustenta que o formato híbrido (aulas presenciais e remotas) para a retomada das atividades nas escolas é seguro, e que o governo fez investimentos em medidas sanitárias e equipamentos de prevenção. No dia 18 de fevereiro, segundo o órgão, o ano letivo começa com revisão dos conteúdos do ano passado.

De 18 a 28 de fevereiro, as instituições de ensino serão abertas para toda a comunidade escolar, a fim de que ela compreenda melhor as medidas que serão adotadas dentro dos estabelecimentos de ensino durante a pandemia de covid-19, reportou a Seed. A partir de 1º de março, deverá ter início o “modelo híbrido”, em que parte dos alunos irá às escolas e outra parte estudará em casa.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.