Patrimônio de Foz: conheça os bens na lista do tombamento

De prédios antigos a áreas de preservação ambiental, Foz do Iguaçu tem uma série de imóveis à espera de proteção.

Apoie! Siga-nos no Google News
Clique no selo e viaje pela série especial de aniversário!
VEJA A COBERTURA DE ANIVERSÁRIO

Desde 2016, está em vigor em Foz do Iguaçu a Lei n.º 4.470/2016, que dispõe sobre a proteção do Patrimônio Cultural, Histórico, Artístico e Ambiental da cidade. O órgão encarregado da análise dos pedidos de tombamento é o Conselho Municipal de Patrimônio Cultural (Cepac).

Leia também:
Foz do Iguaçu, 110 anos: transformações com grandes obras e 15 desafios antigos

APOIO ESPECIAL

A tramitação costuma ser longa, em razão de pontos como os requisitos necessários para a caracterização de um bem histórico. O único processo já deferido é o do Marco das Três Fronteiras, finalizado no mês de maio. Os próximos na pauta do conselho, para a reunião mensal de junho, são o antigo Colégio Mitre e a estátua do dourado.

A pedido do H2FOZ, o fotógrafo Marcos Labanca fez imagens de cada um dos locais. Confira!


APOIO ESPECIAL

Marco das Três Fronteiras
Demarcador da soberania nacional, o obelisco do Marco das Três Fronteiras, posicionado no ponto onde o Rio Iguaçu deságua no Rio Paraná, foi inaugurado em julho de 1903, pela comitiva liderada pelo marechal Cândido Rondon e pelo engenheiro Dionísio Cerqueira. Juntamente com as Cataratas, foi um dos primeiros pontos turísticos de Foz.

Obelisco foi erguido em 1903. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Obelisco foi erguido em 1903. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Fachada do Colégio Mitre
Edifício característico da década de 1950, o antigo Colégio Bartolomeu Mitre, atual 5.º Colégio da Polícia Militar, formou gerações de estudantes iguaçuenses. Sua fachada esteve escondida, durante muitos anos, por um controvertido muro na Avenida Jorge Schimmelpfeng. A atual praça foi aberta no início dos anos 2000.

Fachada voltada à Avenida Jorge Schimmelpfeng é um dos símbolos arquitetônicos da cidade. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Fachada voltada à Avenida Jorge Schimmelpfeng é um dos símbolos arquitetônicos da cidade. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Estátua do Dourado
Elaborada pelo artista Giovanni Vissoto, em 2001, a pedido da empresa Dourado Caça & Pesca, a estátua do dourado esteve prestes a ser removida pelo poder público, em 2018, sob a alegação de que bloqueava parte da calçada. À época, moradores da região fizeram um abaixo-assinado para pedir a manutenção do monumento.

População criou abaixo-assinado para evitar a remoção da estátua. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
População criou abaixo-assinado para evitar a remoção da estátua. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Prefeitura Municipal
Símbolo do ciclo modernizador que tomou conta da cidade entre as décadas de 1930 e 1940, o Palácio Cataratas é, até hoje, a sede da Prefeitura Municipal. O gabinete do prefeito fica no piso superior do prédio. A maioria das secretarias, por falta de espaço, está espalhada por outras edificações da cidade.

Prédio ainda abriga o gabinete do prefeito e repartições municipais. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Prédio ainda abriga o gabinete do prefeito e repartições municipais. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Antiga Câmara Municipal
Característico da arquitetura da década de 1970, o prédio na Praça Getulio Vargas funcionou como Câmara Municipal até o início dos anos 2000. Atualmente, após período de abandono, está passando por reformas para receber uma estação cultural, que será administrada pelo município.

Atualmente, sede da antiga Câmara está passando por reformas. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Atualmente, sede da antiga Câmara está passando por reformas. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Fundação Cultural
Construído na década de 1950, para abrigar o Fórum Estadual de Justiça, foi reconvertido, no início dos anos 2000, como sede da Biblioteca Pública Municipal e da Fundação Cultural de Foz do Iguaçu. A fachada traz um mural que ilustra as Cataratas do Iguaçu, com menções a personagens como Naipi e Tarobá.

Durante décadas, imóvel abrigou o Fórum Estadual de Justiça. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Durante décadas, imóvel abrigou o Fórum Estadual de Justiça. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Casa da Família Schinke
Situada na Rua Tiradentes, a residência foi construída na virada da década de 1930 para 1940. Um imóvel ainda mais antigo, que segue como propriedade da família do pioneiro Harry Schinke, funcionou como Casa de Profilaxia. No local, em 1929, faleceu o cientista suíço Moisés Bertoni, um dos nomes mais influentes de seu tempo na região.

Edificação fica na Rua Tiradentes, perto da 3.ª Pista da Avenida JK. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Edificação fica na Rua Tiradentes, perto da 3.ª Pista da Avenida JK. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Antiga Escola Jorge Schimmelpfeng
Localizada na Rua Quintino Bocaiúva, a edificação teve múltiplos usos desde a década de 1940, quando funcionou como escola. No período da construção de Itaipu, abrigou o Clube da Criança. Na década de 1990, começou a ser utilizada pelo Centro Espírita Paz, Amor e Caridade (Cepac), fundado em 1922.

Ao longo das décadas, imóvel teve múltiplos usos. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Ao longo das décadas, imóvel teve múltiplos usos. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Clube Gresfi (antigo aeroporto)
Inaugurado em 1941, o prédio do primeiro aeroporto de Foz do Iguaçu preserva muitas de suas características originais, como a torre de controle e o saguão de espera utilizado pelos passageiros. Funcionou como terminal aéreo até a década de 1970, quando foi substituído pelo atual Aeroporto Internacional.

Características do terminal do primeiro aeroporto de Foz ainda estão preservadas. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Características do terminal do primeiro aeroporto de Foz ainda estão preservadas. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Teatro Barracão
Localizado ao lado da Praça da Bíblia, o Teatro Barracão data da década de 1990, quando o então Banco do Estado do Paraná (Banestado) construiu teatros de madeira em Foz do Iguaçu, Maringá, Londrina e Cascavel. Desde então, permanece como um dos principais espaços de cultura da Terra das Cataratas.

Teatro Barracão é uma das principais referências culturais de Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Teatro Barracão é uma das principais referências culturais de Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Zoológico Bosque Guarani
Desativado devido à impossibilidade de adequação às exigências modernas, o antigo Zoológico Bosque Guarani preserva, em seu terreno, importante remanescente de Mata Atlântica na área central de Foz do Iguaçu. A prefeitura tem planos de concessão de parte do bosque à gestão da iniciativa privada.

Espaço no centro da cidade preserva importante fragmento de Mata Atlântica. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Espaço no centro da cidade preserva importante fragmento de Mata Atlântica. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Bosque dos Macacos
Situado na Região Norte de Foz, no bairro Ipê, o imóvel com mata nativa tem seu nome devido às famílias de macacos que habitam as árvores. Em 2022, após a reação da população à derrubada de parte das árvores para um empreendimento particular, a prefeitura anunciou que o espaço será transformado em unidade de preservação.

População do entorno fez campanha em prol da preservação do Bosque dos Macacos. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
População do entorno fez campanha em prol da preservação do Bosque dos Macacos. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Pauta cheia

Outros bens de Foz do Iguaçu, como o conjunto de três casas no alto da Avenida Brasil (em frente ao Banco do Brasil), o prédio histórico do Hotel Cassino, o túnel de árvores da Avenida Pedro Basso, o Terreiro União Espírita Reino de Oxalá e um cemitério indígena, serão analisados pelo conselho nas próximas reuniões mensais até fevereiro de 2025.

Casas no alto da Avenida Brasil recordam parte da história de Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ
Casas no alto da Avenida Brasil recordam parte da história de Foz do Iguaçu. Foto: Marcos Labanca/H2FOZ

Já o pedido de preservação do antigo pórtico da Santa Casa Monsenhor Guilherme, na área central da cidade, protocolado em 2024, perdeu a razão de ser, uma vez que a estrutura, que estava exposta no centro do terreno após a derrubada do restante do imóvel, caiu após ser atingida por uma rajada de vento.

LEIA TAMBÉM
3 Comentários
  1. Mirtha Baez Diz

    Importante matéria pois nós remete à valorição da nossa memória histórica. Foz do Iguaçu tem história. Temos que preservar !

  2. Guiomar Diz

    E bom mesmo, fazer o tombamento desses patrimônios, pois aqui em Foz, do jeito que são as coisas. Daqui a pouco vão demolir tudo e construir casas modernas no local…
    Já fizeram isso com a antiga guarda municipal, no boicy, com o hospital Santa casa, e quase tiraram a beleza do Bartolomeu Mitre, com aquela “fonte de greve” rsrs
    Graças a Deus tiraram aquela fonte ridícula de lá

  3. Simone Diz

    Ela é mais bela que nos parece quando trafegamos pelas ruas, cidade linda, arquitetura magnífica, sim , o tombamento dessa cidade antiga e belíssima é necessário, e as melhorias e modernidades podem vir sem que a beleza pioneira seja ignorada e desprezada!!! São muitas cidades “maravilhosas” nesse nosso Brasil e Foz do Iguaçu é uma delas sem dúvida!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.