Operação prossegue até dia 31, para escoar 125 mil toneladas de grãos do Paraguai. Foto Yacyretá

“Janela de água” no Rio Paraná garante exportações paraguaias

A usina binacional Yacyretá (argentino-paraguaia) informou que nesta quinta-feira, 27, mais de 50 barcaças carregadas de grãos seguirão para os portos da Argentina e Uruguai.

Essas barcaças, puxadas por rebocadores, já atravessaram a eclusa e esperavam aumentar o nível do Rio Paraná, abaixo da usina, para seguir viagem.

O aumento da vazão do Rio Paraná foi graças a um acordo entre o Brasil, a Argentina e o Paraguai.

Pelo acordo, as usinas brasileiras instaladas na bacia do Rio Paraná liberaram água suficiente para Itaipu aumentar a produção.

A água turbinada (que gerou energia) foi suficiente, de início, para possibilitar que as barcaças atravessassem a eclusa de Yacyretá. Nesta quinta e na sexta-feira, o nível do rio, abaixo da usina, subirá o suficiente para garantir a navegação pela hidrovia.

ÁGUA EM PUERTO IGUAZÚ

Represamento do Rio Iguaçu pelo Paranazão permitiu a retirada de água para abastecer Puerto Iguazú. Foto El Territorio

O aumento da vazão do Rio Paraná teve um “efeito colateral” positivo. O Rio Iguaçu, represado pelo “Paranazão”, aumentou seu nível na área abaixo das Cataratas.

Com isso, a empresa de saneamento que abastece Puerto Iguazú já pôde normalizar o fornecimento de água, antes prejudicado pelo baixo nível do Rio Iguaçu.

Mas nas Cataratas a vazão não se alterou e continua muito baixa: 335 metros cúbicos por segundo na manhã desta quinta – menos de um quarto da vazão normal – , conforme o monitoramento feito pela Copel.

Abaixo das Cataratas, o Rio Iguaçu estava na quarta-feira, 26, com o nível de 8 metros, enquanto no dia 22 deste mês a altura não passava de 4,5 metros, conforme o portal argentino El Territorio.

Com a normalização do nível do Rio Iguaçu, o Instituto Misionero de Agua y Saneamiento informou que foi possível fazer um reparo na captação do arroio Mboca-í, de onde também é retirada água para atender Puerto Iguazú.

BARCAÇAS AO LARGO

Depois de quase 2 meses de espera, barcaças podem seguir viagem pela hidrovia. Foto Yacyretá

Enquanto as 51 barcaças iniciam viagem rumo aos portos da Argentina e do Uruguai, outras barcaças, puxadas por rebocadores, farão o caminho inverso, em busca de mais cargas.

No total, a operação denominada “Janela de água” vai permitir que o Paraguai escoe 125 mil toneladas de grãos – soja (e derivados) e milho.

A operação prossegue até o último dia de maio, coordenada pelas usinas binacionais Itaipu e Yacyretá, graças ao acordo entre os três países.

É o segundo ano consecutivo em que operações deste tipo precisam ser executadas, já que toda a bacia do Rio Paraná enfrenta uma das mais prolongadas estiagens da história.

Leia mais: Barcaças paraguaias atravessam eclusa e esperam “janela de água”

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 994 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.