Jovem bolsista paraguaia é destaque em programas da NASA

Oriunda da escola pública, Alma Camila Ocampos Irala conquistou bolsa para estudar nos Estados Unidos e no Japão.

Apoie! Siga-nos no Google News

Uma jovem paraguaia de 23 anos, procedente da cidade de Capiatá, região metropolitana de Assunção, está obtendo destaque em programas de iniciação promovidos pela agência espacial dos Estados Unidos, a NASA.

Leia também:
Conheça o GuaraníSAT2, segundo satélite do Paraguai

Formada na escola pública, Alma Camila Ocampos Irala tentou, primeiramente, estudar engenharia no Paraguai, mas foi impedida por falta de condições financeiras.

Na sequência, participou de um processo de seleção, promovido pela Embaixada dos Estados Unidos em Assunção, e conquistou uma das bolsas para fazer a graduação em universidades particulares da América do Norte.

Assim, Alma conseguiu estudar Matemática no Bennington College, do estado de Vermont, e fez também um semestre na universidade Kansai Gaidai, do Japão. Atualmente, está em processo de especialização na área.

Em paralelo, já participou de três programas da NASA, obtendo reconhecimento pelo trabalho desenvolvido. A história da jovem foi contada pelo canal Telefuturo, em reportagem que pode ser vista no vídeo abaixo:

Placa paraguaia

O Instituto de Tecnologia de Kyushu (Kyutech), do Japão, selecionou uma placa de comunicações desenhada no Paraguai para integrar o satélite DragonFly, que será lançado ao espaço em 2024.

“A placa permitirá o recebimento de mensagens curtas vindas da Terra e a retransmissão para outras estações terrenas, podendo ter aplicações para envio de dados em zonas remotas, comunicação em áreas de catástrofes ou operações de busca e resgate, entre outras”, detalhou a Agência Espacial do Paraguai (AEP), em publicação na internet.

Placa desenhada pela equipe EIRU-4S, em imagem divulgada pela AEP
Placa desenhada pela equipe EIRU-4S, em imagem divulgada pela AEP

A placa foi desenvolvida pela equipe EIRU-4S, que forma parte do SpaceLAB, laboratório de inovação impulsionado pela AEP. A seleção foi por meio de um concurso internacional promovido pelo instituto japonês para incentivar o desenvolvimento da ciência.

LEIA TAMBÉM