Operação padrão da Receita gera prejuízos nos dois lados da fronteira

Os caminhões parados em Ciudad del Este deixam o trânsito ainda mais caótico. Pra cruzar a ponte, motoristas levam até três horas. Foto Prefeitura de Ciudad del Este

Protesto dos auditores teve início em 24 de dezembro e até agora não houve negociações. Ou ao menos nada foi divulgado.

Sem que se tenha notícias de negociações ou de algum acordo para interromper a “operação tartaruga” da Receita Federal, os dois lados da fronteira somam prejuízos. E 3 mil caminhoneiros, brasileiros e paraguaios, são afetados pela operação.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

“A greve dos auditores da Receita Federal do Brasil (…) gera um impacto negativo, economicamente, e um caos no trânsito fronteiriço (Ciudad del Este-Foz do Iguaçu)”, noticia o jornal ABC Color, criticando a falta de comunicação ou explicação do lado brasileiro.

O jornal destaca que os caminhoneiros do Brasil relatam um prejuízo diário de R$ 3,8 milhões, com a redução das importações e exportações, enquanto a Aduana de Ciudad del Este informa que a arrecadação diária caiu de 7 bilhões de guaranis (R$ 5,5 milhões) para 4 bilhões (R$ 3,1 milhões).

A operação padrão prejudica diariamente os caminhoneiros, que antes faziam três viagens por semana, entre os dois países, e agora só conseguem a liberação de uma carga a cada 10 dias.

Os caminhoneiros sofrem com a longa espera, nestes dias de intenso calor, sem contar com qualquer tipo de comodidades básicas, diz ainda o ABC Color.

Já há alguns dias a Aduana brasileira só permite a passagem por uma única, o que também prejudica o tráfego de veículos particulares. A demora para atravessar a Ponte da Amizade pode levar até três horas.

Em Ciudad del Este, os caminhões estão parados em filas, sobre a calçada, em esquinas e onde é possível, à espera da liberação. A situação mais crítica é no trecho da rotatória Oásis à Ponte da Amizade, onde a Patrulla Caminera (polícia rodoviária) e a Polícia Municipal de Trânsito atuam em conjunto para tentar ordenar o caótico trânsito.

O PROTESTO

A operação padrão dos auditores da Receita Federal foi aprovada em assembleia da categoria no dia 23 de dezembro, para começar já no dia seguinte.

Também chamada de operação tartaruga, a operação padrão consiste na fiscalização mais lenta provocada pelo reforço no rigor das atividades. Os auditores concordaram em excluir da operação padrão a fiscalização de produtos hospitalares, de cargas perecíveis e de viajantes vindos do exterior.

Os auditores fiscais querem que o governo reveja o congelamento de salários do funcionalismo e regulamente o bônus de eficiência (adicional concedido para quem cumpre metas de eficiência), prometido em negociações anteriores. O último reajuste para os servidores do Poder Executivo Federal foi concedido em 2016.

Desde a aprovação do Orçamento Geral da União de 2022, que destinou R$ 1,7 bilhão para reajustes a forças federais de segurança, diversas categorias do funcionalismo federal passaram a pressionar o governo por aumentos salariais.

Os auditores protestam ainda contra a retirada de recursos para a Receita Federal, no orçamento para 2022.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.