Paraguai e Brasil assinam aliança para o combate ao crime organizado

Fronteira entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este - Foto: Marcos Labanca

Acordo considerado estratégico prevê operações conjuntas no enfrentamento à delinquência transfronteiriça.

Representantes do Paraguai e do Brasil assinaram, em Assunção, um acordo de cooperação considerado estratégico pelas autoridades de segurança pública dos dois países no combate ao crime organizado. Estão delineadas no termo operações conjuntas, troca de informações e cooperação entre as forças policiais em ambos os lados da fronteira.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

O objetivo é combater a delinquência e os ilícitos transfronteiriços, ampliando a maior integração entre as forças policiais. Do lado paraguaio, assinou o documento o ministro do Interior, Federico González; o representante brasileiro foi o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres.

Segundo as autoridades, o termo de cooperação permitirá a incorporação de tecnologia, capacitação e coordenação das intervenções internacionais entre a Polícia Nacional do Paraguai e a Polícia Federal do Brasil. Outro ponto destacado foi a possibilidade de se reduzir a burocracia nas ações conjuntas entre os dois países.

No radar dos ministérios do Interior e da Segurança Pública das duas nações está o “fortalecimento de comandos bipartites na zona de fronteira, com a instalação de um novo comando na área da futura Ponte Carmelo Peralta–Poerto Murtinho”, revelou a Agência IP, do governo paraguaio. “O crime organizado não tem fronteiras e não tem limites”, afirmou Federico González.

Aliança no Cone Sul

De sua parte, o Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que o acordo com o Paraguai é parte de uma “Aliança Estratégica contra o Crime Organizado Transnacional” com participação dos governos do Cone Sul, a qual o país vizinho foi o primeiro a integrar. Foi um reconhecimento por ser a nação que mais atua em conjunto com o Brasil no combate ao crime organizado.

O ministro Anderson Torres destacou que o objetivo da aliança é “intensificar e acelerar os duros golpes que estamos aplicando no crime organizado regionalmente”. Em assunção, aproveitou para fazer balanço dos resultados obtidos em operações integrando forças do Brasil e Paraguai.

“A operação ‘Nova Aliança’, entre 2019 e 2021, possibilitou a destruição de 11.620 toneladas de maconha em ambos os territórios. Só no ano passado foram erradicadas 5.401 toneladas da droga”, divulgou o ministério. A Operação Status, em 2020, apreendeu R$ 230 milhões em bens de traficantes que atuavam perto da cidade de Pedro Juan Caballero (Paraguai).

Lideranças de uma facção criminosa que atuam nos dois países foram presas com as operações Fronteira Segura I, II e III, pontuou o órgão brasileiro.

(Com informações da Agência IP e Ministério da Justiça e Segurança Pública)

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.