Parem tudo! Obras de acesso à segunda ponte, no Paraguai, têm novo atraso

O tabuleiro está concluído. Sinal verde para dar início aos trabalhos que levarão a pista até o outro lado do rio. Foto Itaipu

A cada mês fica mais difícil que as obras de acesso à Ponte da Integração, no lado paraguaio, estejam prontas a tempo no prazo previsto.

A intenção é que terminem junto com a inauguração da segunda ponte sobre o Rio Paraná, entre Foz e Presidente Franco.

Mas, depois do atraso para conseguir os recursos para a obra, agora há mais um problema.

Uma construtora entrou com recurso contra a licitação, por considerar que a vencedora não tem capacidade técnica.

Resultado: a licitação acabou anulada pelo setor de Contratações Públicas do Paraguai, conforme o jornal ABC Color.

A licitação era para serviços de consultoria na fiscalização das obras de acesso à ponte e da conexão à rede interurbana existente.

ESTACA ZERO

Enquanto no lado brasileiro a Perimetral Leste já está em obras desde o início de abril, no Paraguai tudo volta à estaca zero.

Nas duas margens, são obras demoradas porque exigem obras de arte.

Especialmente no lado brasileiro, que terá dois viadutos.

No caso de Presidente Franco, o “Corredor Metropolitana de Leste” contará com uma pista de 31 km de extensão, que fará a ligação à Ponte da Integração.

Terá ainda obras de conexão à rede interurbana existente (4,6 km) e a construção de uma ponte sobre o Rio Monday, entre os municípios de Minga Guazú e Los Cedrales.

ATRASO

Já no início de junho, o prefeito de Presidente Franco, Roque Godoy, reclamava do atraso no inicio das obras.

Definitivamente, segundo o prefeito, as obras viárias não terminarão na data de inauguração da Ponte da Integração.

O atraso inicial foi por falta de financiamento para as obras.

Conseguido o dinheiro, agora entra o processo burocrático, tão ou mais demorado que conseguir recursos.

A Ponte da Integração – toda ela –  e a Perimetral Leste têm financiamento da margem brasileira da Itaipu Binacional.

Para as obras de acesso à ponte, em Presidente Franco, os recursos são do governo do Paraguai.

A construção é de responsabilidade do Ministério de Obras Públicas.

COMO ESTÁ A PONTE

Já no começo de junho, na margem paraguaia,foi instalado o quarto e último trecho do tabuleiro da ponte, que agora conta com 110 metros de distância.

Tabuleiro pronto, acende-se luz verde ao início do avanço livre do trecho central, composto por vigas metálicas com lajes de concreto.

Esse trecho central é a pista da ponte´sobre o Rio Paraná.

Tanto no lado brasileiro como no paraguaio, a previsão é que as obras estejam concluídas no segundo semestre de 2021.

Mas, se o acesso em Presidente Franco não for concluído a tempo, a ponte ficará subutilizada.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

Cláudio Dalla Benetta é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Claudio Dalla Benetta - H2FOZ tem 1144 posts e contando. Ver todos os posts de Claudio Dalla Benetta - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.