Lâmpadas de LED: Justiça bloqueia R$ 5 milhões em bens de investigados em Santa Terezinha de Itaipu

Medida requerida pela 6ª Promotoria faz parte da Operação Luz Oculta, que apura eventuais fraudes em licitação e começou em Foz do Iguaçu.

A Justiça determinou, por liminar, o bloqueio de bens de réus investigados na Operação Luz Oculta, do município de Santa Terezinha de Itaipu. A medida atende a pedido da 6ª Promotoria de Justiça de Foz do Iguaçu, que apura eventual fraude em licitação voltada para a iluminação pública em cidades da Região Oeste.

A decisão judicial atinge cinco empresas e dez pessoas físicas, que são as representantes dos empreendimentos, no município vizinho. A soma total a ser bloqueada solidariamente entre os réus é de R$ 4.966.079,06, conforme informou a assessoria de imprensa do Ministério Público do Paraná (MPPR).

“O objetivo do bloqueio é garantir, em caso de condenação, o ressarcimento dos prejuízos causados ao erário e o pagamento de multa pelos réus”, relatou a promotoria. A Luz Oculta foi desencadeada a partir de investigação em Foz do Iguaçu.

No final de janeiro, o MPPR apresentou denúncia contra 18 pessoas investigadas durante a Operação Luz Oculta. A elas são atribuídos possíveis crimes de fraude na licitação para a instalação de lâmpadas de LED nas vias públicas de Santa Terezinha de Itaipu. Os denunciados são empresários e servidores públicos.

Contrato de R$ 10 milhões

A promotoria deflagrou a Operação Luz Oculta após verificar possíveis irregularidades envolvendo contrato de R$ 10 milhões para a instalação de lâmpadas de LED no município. A Câmara de Vereadores iguaçuense também apurou as denúncias por meio de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), finalizada em 2019.

(Com informações do Ministério Público do Paraná)

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

error: O conteúdo é de exclusividade do H2Foz.