A visão da OMS sobre o futuro da inteligência artificial na Medicina

Os sistemas de inteligência artificial na saúde podem ser usados para processos variados em larga escala. Foto: iStoc

Variadas aplicações da inteligência artificial na saúde resultou em posicionamento da OMS para garantir uso ético e seguro da tecnologia.

A incorporação tecnológica na saúde já é um fato e essa modernização é irreversível devido aos diversos benefícios propiciados para pacientes, profissionais e gestores.

A inteligência artificial é uma dessas tecnologias e consiste em softwares capazes de reproduzir as habilidades humanas de identificar variáveis, processar informações, tomar decisões, aprender e resolver problemas.

De acordo com John McCarthy, um dos precursores da área, trata-se de “fazer a máquina comportar-se de tal forma que seja chamada inteligente caso fosse este o comportamento de um ser humano”. 

Apesar dos benefícios dessa modernização mediada pela tecnologia é fundamental o posicionamento e mediação de instituições confiáveis da área, como a Organização Mundial da Saúde (OMS). Saiba mais a seguir.

Aplicação da inteligência artificial na Medicina

De acordo com pesquisas da consultoria Accenture a estimativa é que, nos próximos anos, o valor do mercado mundial de IA aplicada à assistência médica ultrapasse a marca dos US$ 7 bilhões.

Esse mercado bilionário começou a décadas, mas uma das aplicações mais inovadoras aconteceu em 2011 quando a IBM lançou um supercomputador para processar dados de saúde tornando-se um banco de dados de referência na área de oncologia.

Seguindo o mesmo caminho, o Google lançou o supercomputador Deep Mind, reunindo dados milhares de pacientes para aumentar o conhecimento sobre diversas patologias, incluindo seus sintomas e evolução.

Essas aplicações mais voltadas a centros de pesquisa foram a base para uma nova fase da inteligência artificial na Medicina, viabilizando sua popularização.

Atualmente, os sistemas de inteligência artificial na saúde podem ser usados para processos variados em larga escala, como:

  1. gestão da operação hospitalar reunindo dados sobre aspectos logísticos que facilitam a distribuição de recursos e minimiza as chances de desabastecimento;
  2. aparelhos individuais de monitoramento, como os relógios inteligentes, que podem ser automaticamente conectados aos prontuários eletrônicos de pacientes para oferecer informações médicas confiáveis em tempo real;
  3. processamento de dados de alta complexidade, como no caso de sistemas treinados com IA para identificar alterações em exames radiológicos como ressonância magnética e tomografia computadorizada;
  4. monitoramento de patologias, como no caso da Covid-19, permitindo a identificação de ondas de casos e ações preventivas para minimizar os impactos no sistema de saúde, preservando vidas;
  5. acompanhamento médico a distância, tanto por meio de consultas como também na realização de cirurgias remotas.

A evolução da aplicação da inteligência artificial na saúde foi determinante para que essa solução, considerada inacessível até pouco tempo atrás, passasse a ser incorporada no dia a dia para promover ganhos reais aos pacientes.

OMS divulgou diretrizes quanto ao uso ético dessa tecnologia na saúde. Foto: iStock

Quais os benefícios dessas tecnologias no ambiente hospitalar?

A inteligência artificial na Medicina tem sido amplamente usada devido aos ganhos que oferece na rotina do ambiente hospitalar, incluindo:

  1. ganhos operacionais devido ao uso de softwares de gestão que centralizam e integram as informações dos diferentes departamentos aumentando a inteligência na tomada de decisão dos gestores;
  2. eficiência logística com monitoramento de diferentes métricas como disponibilidade de leitos e reserva de insumos para prevenir o desabastecimento;
  3. monitoramento de pacientes, como no caso do robô assistente Laura, criado no Brasil para ajudar a monitorar pacientes e identificar aqueles com risco de sepse;
  4. redução de casos de falta de assistência especializada devido ao uso da tecnologia para mediar atendimentos a distância com especialistas, mesmo para pacientes que moram em regiões isoladas e carentes;
  5. agilidade e eficiência no diagnóstico, como no caso do uso de softwares para priorização de exames radiológicos de acordo com a gravidade do quadro;
  6. boa convivência na relação médico-paciente devido à possibilidade de automatizar tarefas e deixar o profissional mais disponível para uma interação próxima e humana.

Assim, são diferentes áreas das instituições de saúde que se beneficiam das aplicações da inteligência artificial na saúde, com destaque à promoção de práticas que melhoram a experiência e suporte ao paciente.

O que a OMS diz sobre o uso da IA na saúde?

Os benefícios da IA na saúde não anulam a alta complexidade da tecnologia que opera com base em dados pessoais dos pacientes e da saúde pública para gerar soluções que, de fato, sejam inteligentes.

Considerando isso, é fundamental que instituições de renome, como a OMS, estejam comprometidas com o bom uso da IA em nível global.

Pensando no potencial elevado do uso da inteligência artificial na Medicina, a OMS divulgou diretrizes quanto ao uso ético dessa tecnologia na saúde, destacando seis pontos:

  1. proteger a autonomia humana;
  2. promover o bem-estar e a segurança humana e o interesse público no uso da IA;
  3. garantir transparência, explicabilidade e inteligibilidade às soluções que usam IA;
  4. promover responsabilidade e prestação de contas quanto aos usos da tecnologia;
  5. garantir inclusão e equidade no acesso à saúde mediado por tecnologias de IA;
  6. promover soluções com uma inteligência artificial responsiva e sustentável.

Esses princípios norteadores são importantes para que a inteligência artificial possa, de fato, trazer benefícios à saúde de forma responsável e ética como promove a instituição.

São diferentes áreas das instituições de saúde que se beneficiam das aplicações da inteligência artificial na saúde. Foto: iStock

As milhares de soluções de IA na Medicina, como o software de voz para laudo, sistemas de gestão, robôs para cirurgias, telemedicina, sensores e outras devem ser orientadas por esses valores, garantindo a condução ética na aplicação da tecnologia na saúde.

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Assessoria

Este texto é de responsabilidade de assessoria da imprensa institucional e/ou empresarial. Veja mais conteúdo do autor.

-->