H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Por: Cláudio Dalla Benetta - H2FOZ

Agente de segurança que matou juíza de Hernandarias põe a culpa no demônio

Agente de segurança que matou juíza de Hernandarias põe a culpa no demônio
(Foto: La Clave)

H2FOZ

A Polícia Nacional do Paraguai prendeu na manhã deste domingo, 28, o agente de segurança Wilson Miguel Scappini, de 28 anos, que trabalhava no Juizado de Primeira Instância de Hernandarias, informa o jornal La Clave.

Ele confessou aos policiais o assassinato da juíza Diana Eveline Mereles Duarte, de 38 anos, que atuava no juizado Civil, Comercial e Laboral de Hernandarias, no prédio onde ele atuava como segurança. Em dado momento, o agora criminoso confesso disse que matou "porque o demônio se apoderou de mim". Aparentemente, segundo La Clave, ele estava sob efeito de alguma droga.

A prisão do agente foi numa região de mata do bairro San Roque, onde ele estava tentando escapar cruzando um arroio, informa o ABC Color. Ele foi levado ao Hospital Regional de Ciudad del Este para um diagnóstico médico.

O agente estava trabalhando no sábado, 27, quando ocorreu o assassinato da juíza. O corpo foi encontrado às 18h30 num corredor do andar térreo do prédio do juizado.

A juíza morreu com golpes na cabeça, desferido com uma pedra, segundo a promotora Natalia Montanía, que encabeça as investigações.

Pai localizou o corpo

Um detalhe, contado pelo jornal Última Hora, é que o corpo da juíza foi encontrado por Pedro Antonio Scappini, pai do suspeito do crime e chefe de segurança do tribunal. Ele estava junto de outro segurança, Justo Ángel Rotela, funcionário da empresa Sevipa.

Rotela tinha que entrar no turno das 18h, mas como encontrou o acesso ao prédio fechado, recorreu ao chefe de segurança para que verificasse o que havia.

Crack

O jornal Hoy, por sua vez, conta que os investigadores descobriram que Scappini era consumidor de crack.

A promotora Natalia Montanía comentou com o canal C9N, segundo Hoy, que o criminoso disse ter contratado duas prostitutas para que o acompanhassem ao seu local de trabalho.

Quando a juíza estava saindo do prédio, ele teve medo de ser descoberto com as mulheres e, por isso, foi ao encontro dela. Desesperado, tomou a decisão de assassiná-la com uma pedra que tinha ao alcance.

Disse ainda à promotora que ficou sete anos sem consumir drogas, mas teve uma recaída no sábado.

Sobre o demônio, a frase seria esta: "Um ser se apoderou do meu corpo, por culpa da droga".

Veja Também