H2FOZ | Notícias | Foz do Iguaçu
  1. Home
  2. Notícias

Privatização do aeroporto de Foz precisa ser acompanhada de perto

Privatização do aeroporto de Foz precisa ser acompanhada de perto
Terminal de Foz foi o 20° mais movimentado do Brasil em 2018. (Foto: Nilton Rolin)

Cláudio Dalla Benetta (*)

O governo federal deve anunciar ainda este mês a abertura do processo de concessão à iniciativa privada de quatro aeroportos do Paraná, entre eles o de Foz do Iguaçu. A privatização deve ocorrer até 2020.

E isso é bom ou ruim? Tudo vai depender do grau de exigência previsto nos contratos de concessão. Se acontecer como foi feito com as rodovias paranaenses, sairemos todos perdendo.

O aeroporto de Foz não é o mais importante dos 55 aeroportos ainda administrados pela Infraero, mas também não é um terminal qualquer. Com 2,2 milhões de embarques e desembarques, no ano passado, o terminal iguaçuense ficou em 20° lugar entre os 30 mais movimentados do país.

Atualmente, recebe obras de modernização, especialmente do terminal de passageiros, mas a mais importante - a construção de uma nova pista, que permita receber voos internacionais -, por enquanto está só na promessa. E, com a privatização, quem garante que será feita?

Quando esteve em Brasília para tratar do assunto, no mês passado, o governador Ratinho Jr disse que, dos quatro aeroportos paranaenses a serem privatizados - Afonso Pena, Foz do Iguaçu, Londrina e Bacacheri (Curitiba) -, os de Foz e Londrina serão os que vão receber investimentos mais pesados. E destacou que o aeroporto daqui terá ampliação da pista.

Em bloco?

Se a privatização ocorrer como foi com aeroportos do Nordeste, em blocos, Foz poderá sair perdendo, se a mesma empresa ficar com o Afonso Pena, por exemplo, três vezes mais movimentado, em passageiros e cargas. Teme-se que a vencedora da concessão dê mais atenção ao aeroporto que atende Curitiba, bem mais rentável, e os outros permaneçam mais ou menos como estão agora.

Para o governo, as privatizações representam dinheiro em caixa para tapar o rombo das contas públicas. E a Infraero é uma das estatais deficitárias (R$ 10,4 bilhões de prejuízo acumulados em cinco anos).

Como quase todas as estatais, a Infraero sofre de gigantismo (tem mais funcionários que suas necessidades de pessoal), padece com influências políticas e não tem dinheiro para investir - precisa de recursos do governo pra fazer obras como estas do aeroporto de Foz.

Entre melhores

Mas não é má administradora de aeroportos. Mesmo depois de uma série de concessões à iniciativa privada, ainda é uma das maiores do mundo no setor. E, dos seus 55 aeroportos, três deles estão entre os quatro melhores do Brasil, conforme pesquisa feita pela Agência Nacional de Aviação Civil - Anac.

O governo do Estado, a Prefeitura de Foz e o setor turístico e empresarial da cidade precisam acompanhar atentamente o processo de concessão do aeroporto, para evitar que, daqui a poucos anos, lamentemos a medida, assim como sofremos com os caríssimos pedágios nas rodovias, que sequer receberam as obras previstas inicialmente nos contratos, alterados ao longo dos anos pela praga chamada corrupção.

(*) Cláudio Dalla Benetta é jornalista