Teatro lambe-lambe encena lendas do Rio Paraná e da fronteira

Cia EntreFronteiras apresenta espetáculo baseado no folclore paranaense, da gralha-azul ao dourado, soberano das águas do Paranazão; veja a agenda.

Apoie! Siga-nos no Google News


Em pequenas caixas, o grande imaginário que habita o rico folclore paranaense, com referências bem conhecidas dos moradores da fronteira. Respeitável público, a Cia EntreFronteiras apresenta o incrível teatro lambe-lambe, itinerante e gratuito.

Confira a agenda cultural do H2FOZ.

O abrir da cortina convida para uma imersão na criatividade, em que o cenário inteiro mede menos de 30cm de altura e uma pessoa por vez acompanha o espetáculo. O teatro lambe-lambe é uma linhagem genuinamente brasileira.

Consiste em montar um palco em um pequeno espaço, com bonecos e outras formas para contar histórias rápidas, explica a companhia. É o meio escolhido pela EntreFronteiras para viajar de escola em escola, contando lendas paranaenses, com o projeto Sarambi.

Cada caixa leva um espetáculo de lendas bem conhecidas do morador fronteiriço, que vive às margens do Rio Paraná. A gralha-azul, o dourado, peixe soberano do Paranazão, e a lenda do Urutau são apresentados de forma criativa e divertida, em peças com cerca de um minuto.

“Queríamos levar esse tema das lendas do Rio Paraná para as escolas e fazer isso com a ajuda de bonecos e sombras”, informa a diretora do espetáculo, Taty Ravedutti. “Forma como fazemos os espetáculos é uma novidade para nós e gera curiosidade não só pelo formato, mas também pelo seu conteúdo”, conclui.

Teatro lambe-lambe

Além de Taty, os atores José Castillo e Léo Pontes fazem parte do elenco, cada qual em uma caixa, produzida por artistas da cidade. Léo conta a história do Urutau. “Esse pássaro possui hábitos noturnos, então logo pensei no escuro e nas sombras. A caixa foi construída como um ninho de sombras, feita para abrigar o olhar e a presença da/o espectador/a, numa breve viagem pela mitologia da ave-fantasma”, explica.

A artista Dani Valiente confeccionou outras caixinhas teatrais usando tecidos e feltro para recriar o fundo do rio e a floresta. O espetáculo, segundo Castillo, é parte de uma série de pesquisas feitas pelo grupo. “Estamos desenvolvendo esses estudos sobre lendas e histórias da região que precisamos levar para as comunidades e especialmente para nossas escolas”, pontua.

Fazer com arte

O projeto Sarambi, da Cia EntreFronteiras, foi aprovado em seleção pública de projetos, recebendo recursos do Fundo Municipal de Incentivo Cultural. Esse instrumento de fomento artístico-cultural de Foz do Iguaçu é previsto em lei.

Agenda de apresentações gratuitas:

  • dia 8/6, 13h: Parque Nacional do Iguaçu, em Céu Azul, durante a Semana do Meio Ambiente;
  • dia 11/6, 9h30 e 14h30: Colégio Arnaldo Isidoro, em Foz do Iguaçu;
  • dia 12/6, 9h30: Escola Municipal Princesa Isabel;
  • dia 14/6, 9h30 e 13h30: espetáculo e oficina de teatro lambe-lambe, na Estação Cultural João Sampaio, na Vila C Nova;
  • dia 16/6, a partir das 10h: Feirinha da JK (espetáculo de encerramento da temporada).

(Com informações da assessoria)

LEIA TAMBÉM
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.