Philomena Rafagnin é cidadã honorária do Paraná

Matriarca da família Rafagnin, de Foz do Iguaçu (PR), Philomena se destaca nacionalmente no setor do turismo como presença feminina forte, dotada de grande visão de futuro e força de trabalho

Apoie! Siga-nos no Google News

Autoridades, empresários, representantes do setor do turismo, personalidades e pelo menos três gerações da família Rafagnin prestigiaram no dia 6 de dezembro a sessão no plenário da Assembleia Legislativa em que foi outorgado o título de Cidadã Honorária do Paraná à Philomena Maria Morello Rafagnin. Matriarca da família que chegou a Foz do Iguaçu (PR) em 1961, e que completa 94 anos em 6 de janeiro, Philomena tornou-se referência feminina do empreendedorismo no  turismo.

Reconhecimento

Autor da proposição, o deputado Soldado Fruet (PROS) destacou em seu discurso a satisfação em conceder a homenagem.

“Hoje o estado do Paraná faz justiça a uma pessoa especial: dona Philomena Rafagnin. Idealizadora de grandes projetos que beneficiaram e alavancaram o turismo de Foz do Iguaçu, hoje, o segundo destino turístico do Brasil, mas que não o seria, caso não possuísse uma boa estrutura para bem receber o turista. Dona Philomena e seu falecido esposo, Olímpio, empreenderam e construíram não só hotel e restaurantes, mas também uma cultura de  investimento local seguida por pequenos, médios e grandes empresários que, após eles, também investiram em Foz do Iguaçu e garantiram que a cidade se desenvolvesse”.

Admiração e carinho 

O presidente da ABAV Paraná, João Alceu Rigon Filho, comentou, após a solenidade, que vem acompanhando a trajetória da família Rafagnin desde o ano de 1980. “Eles são empresários de muita garra e determinação. Sempre foram reconhecidos por receber e atender muito bem ao visitante. Achei  importante esse reconhecimento por tudo que a dona Philomena fez, que proporcionou à cidade. Ela teve, desde cedo, essa visão de empresária e marqueteira. É muito bonita e inspiradora a sua história, a história dessa família”, enalteceu.

O alpinista brasileiro Valdemar  Niclevicz, nascido em  Foz do Iguaçu e que mora desde a adolescência em Curitiba, viveu grandes aventuras e chegou ao alto do pico Everest, em 1995, sem jamais se desligar de sua terra natal. Amigo de longa data da família Rafagnin, ele fez questão de prestigiar o momento. “Esse título de cidadã honorária para dona Philomena é, além de um grande presente para a cidade de Foz do Iguaçu, um reconhecimento do esforço de toda  a família Rafagnin  para levar o desenvolvimento para Foz e o estado do Paraná. Eles não eram paranaenses, mas escolheram Foz, trabalharam muito e acabaram  trazendo muitos benefícios, gerando  empregos e desenvolvimento para a cidade. Eu não poderia deixar de estar presente e trazer o meu carinho a ela e a toda a família”, atestou.

Ex-governador do Estado do Paraná (2010-2018), eleito deputado federal no último pleito, Beto Richa, que também compareceu ao evento, disse que dona Philomena é um ícone para  Foz do Iguaçu. “Ao lado do saudoso marido, Olímpio Rafagnin, construiu sua vida dentro do turismo e da gastronomia gerando renda e milhares de empregos. Tradição que vem sendo preservada pelas novas gerações por meio do Grupo Rafagnin”, salientou.

Presidente do Visit Iguassu, Felipe Gonzales, também foi outro que não mediu esforços para estar presente em um momento tão significativo tanto para a família, como para o município. “Pela profunda amizade e admiração que tenho pela família, pela dona Philomena e ainda na condição de  presidente do Visit Iguassu (agrupamento empresarial do turismo representativo de Foz do Iguaçu), eu não poderia deixar de vir  prestar  um tributo, uma homenagem a esta que é, talvez, a maior  representante da indústria do turismo, da gastronomia e do entretenimento na cidade”, destacou. 

Já o neto, Giovani Bueno Rafagnin, falou da influência da avó nas decisões que ele próprio vem tomando na vida. “Nossa família é o que é, graças  ao fruto do trabalho de dona Philomena, por muitos anos. Com a falta do meu avô ela teve  que assumir as rédeas da família e ir literalmente ao trabalho, na cozinha e no direcionamento dos filhos. É por ela, graças a ela que estou podendo atuar naquilo que venho aprendendo ao longo da vida, na área de  gestão. À frente do Rafain Palace quero dar continuidade ao legado, desempenhando o trabalho de trazer as pessoas e fazer  com que elas se sintam em casa, dentro do hotel. Manter a paixão em poder servir, receber, atender e acolher bem, este é o meu desafio para os próximos anos e espero poder fazer isso a contento, junto com todos os netos”, ressaltou.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.