Tribunal de Contas pede à prefeitura correção de irregularidades na saúde, transparência e pessoal

Terceirização indevida na saúde e contratação de empresa de propriedade de servidor estão entre as falhas; contra a decisão cabe recurso.

Apoie! Siga-nos no Google News

Atualizado às 15h para inserir posicionamento da prefeitura.

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) fez quatro determinações e uma recomendação à Prefeitura de Foz do Iguaçu sobre gestão. As medidas resultam de julgamento de representação do Ministério Público de Contas (MPC-PR) sobre irregularidades verificadas no município.

Dos apontamentos feitos pelo MPC-PR, o Tribunal de Contas encampou quatro deles:

  • terceirização indevida do serviço público de saúde;
  • incorreta contabilização de despesas;
  • contratação de empresa de propriedade de servidor do município de Foz do Iguaçu (contratante); e
  • não atendimento à Lei de Acesso à Informação (Lei n.º 12.527/2011).

“O órgão ministerial detectou os problemas ao analisar dados do Portal de Informação para Todos (PIT) da Corte”, informou o TCE-PR. As informações são declaradas pela gestão no Sistema de Informações Municipais – Acompanhamento Mensal (SIM – AM) do Tribunal e no Portal da Transparência.

O relator do processo, conselheiro-substituto Tiago Pedroso, votou favorável à instrução da Coordenadoria de Gestão Municipal (CGM) do Tribunal e do parecer do Ministério Público de Contas. Os demais membros acompanharam, de forma unânime, o voto do relator na sessão de plenário virtual concluída em 13 de outubro. Cabe recurso contra a decisão.

Determinações estabelecidas:

  • Foz do Iguaçu deve realizar, em até 18 meses, concurso público para médicos, em quantidade suficiente para atender às necessidades da atenção básica à saúde;
  • a prefeitura deve passar a contabilizar adequadamente suas despesas, lançando as de contratos para terceirização de mão de obra na atenção básica à saúde como “Outras Despesas de Pessoal”, incluindo-as na conta de pessoal para compor os índices da Lei de Responsabilidade Fiscal;
  • a gestão municipal deve deixar de contratar empresas que possuam, em seu quadro societário, servidores municipais de Foz do Iguaçu, e
  • dequar o Portal da Transparência às disposições da Lei de Acesso à Informação, registrando e publicando as informações relevantes relativas a serviços médicos prestados por seus servidores ou funcionários terceirizados (informando nome, lotação, escalas de horário e frequência); e
    a prefeitura tem de começar a utilizar a metodologia de controle de horário e a fiscalizar, efetivamente, a prestação do serviço médico.

Outro lado

A prefeitura enviou nota ao H2FOZ afirmando que criou um grupo de trabalho que é formado “pelas secretarias da Administração, Fazenda, Saúde, Transparência e Governança, e Procuradoria Geral do Município”. Esse colegiado irá “avaliar as medidas necessárias para atender aos apontamentos do órgão ministerial, dentro do prazo estipulado.”

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.