Telefonia e internet: fios espalhados geram poluição e riscos

Cabos de internet ou telefone, desativados, são transformados em verdadeiras arapucas na selva urbana. Foto: Aida Franco de Lima

Aida Franco de Lima – OPINIÃO

Muito se fala em responsabilidade social das empresas, mas não tenho visto essa prática em relação às empresas de telefonia. Não, não estou falando das empresas que prometem uma banda larga e nos entregam uma fatia muito raquítica de velocidade. Estou me referindo às empresas que passam suas fiações por toda a cidade e quando os cabos, por diversos fatores, arrebentam, os largam a Deus dará.

WHATSAPP – Assine a nossa linha de transmissão.

TELEGRAM – Entre em nosso grupo.

É um completo descaso com o cidadão, com o meio ambiente, com as normas das cidades. Não fosse a poluição visual, com a qual nos deparamos ao olharmos para o alto, os fios soltos descem pelos postes, são amarrados em árvores, ficam dependurado em meio às ruas. Uma verdadeira armadilha. Pedestres, motoristas de carro, mas principalmente motociclistas e ciclistas podem ser vítimas dessas arapucas urbanas.

Outro grave problema que pode ser ocasionado com esses fios, é alguém confundir fiação de rede elétrica com telefonia. Algo grave, que pode ser fatal.

Empresas precisam praticar a responsabilidade social com a coleta dos fios  desativados
Na imagem pode parecer imperceptível, mas fios amarrados em árvores e soltos, são comuns nas cidades e podem causar sérios danos ao meio ambiente e aos transeuntes.
Foto: Aida Franco de Lima

Conheço pessoas que quando deparam-se com esses fios, os cortam e colocam o material para a reciclagem. Outros até os reaproveitam, para usá-los como parreira para frutas, como maracujá. É o cidadão tentando fazer aquilo que as empresas de telefonia não cumprem e que os municípios parecem mesmo não cobrar: respeito com a coletividade.

Se os (ir) responsáveis não se preocupam com as pessoas, será que vão perder tempo com os animais, que também são vítimas dessas armadilhas? Fios desencapados, pendurados, em locais impróprios, tudo isso pode ser motivo para machucar uma ave, um mamífero. Na rota de voo, um fio desses pode fazer com que um beija-flor nunca mais volte para alimentar seus filhotes. E quem se importa? Pedaços dessa fiação pode ir para as galerias pluviais e te encontrar lá na praia… Inclusive, escrevi sobre isso aqui, no texto: “O mar começa aqui”. Conheça a ideia e faça sua parte

Fios que nas ruas são empecilhos, podem  ter um melhor destino
Fios retirados das ruas, usados para parreira de maracujá .Foto: Kazuo Yasoyama

Mas, e então, o que fazer? Cobrar. Cobrar da Câmara se há uma lei que regulamente essa situação, se não há, criá-la. Se há, fazê-la ser cumprida. Ligar nas ouvidorias das empresas e falar a respeito. Pagamos muito caro para um serviço que nem sempre nos é entregue e não podemos que além disso, a sujeira seja empurrada para debaixo do tapete, ou melhor, pelas vias públicas. Assim não há maracujá que dê conta! Haja paciência!

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do H2FOZ.

Quer divulgar a sua opinião. Envie o seu artigo para o e-mail [email protected]

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Aida Franco de Lima

Aida Franco de Lima é jornalista, professora e escritora. Dra. em Comunicação e Semiótica, especialista em Meio Ambiente. E-mail: [email protected] Veja mais conteúdo da autora.