Energia elétrica fica mais cara com 52% de aumento na bandeira vermelha 2

Aumento eleva de R$ 6,24 para R$ 9,49 cada 100kWh consumidos - Foto: Divulgação

Vai doer no bolso: conta da Copel já havia sido reajustada em cerca de 9% na semana passada.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou, nesta terça-feira, 29, reajuste de 52% no valor da bandeira tarifária vermelha 2, que é o mais alto do sistema. O acréscimo deverá ser pago pelos consumidores na conta de luz do mês de julho.

O aumento eleva de R$ 6,24 para R$ 9,49 cada 100kWh (quilowatts-hora) consumidos. O último reajuste dessa bandeira tarifária havia entrado em vigor neste mês de junho. De acordo com a agência reguladora, a previsão é a de que o novo valor vigore até novembro.

A Aneel atribui o acréscimo ao baixo índice de chuvas no país, que reduz o nível dos reservatórios hídricos e afeta a geração de energia elétrica. De acordo com o diretor da autarquia, Sandoval de Araújo Feitosa Neto, “há grande probabilidade de termos, no segundo semestre, cenários mais críticos do que o histórico até aqui conhecido”.

A agência reguladora também aprovou novos valores para outras bandeiras tarifárias, sendo a de cor verde, que indica boas condições de geração de energia, gratuita.

Novos custos a cada 100kWh:

vermelha: R$ 3,971; e

amarela: R$ 1,874.

Conta da Copel mais amarga

Não é só o reajuste da bandeira tarifária que tornará a luz elétrica – bem essencial para as famílias, indústrias, comércios e serviços – mais cara. Desde a última quinta-feira, 24, a tarifa de energia elétrica da Copel já está mais cara, com o aumento anual aprovado pela Aneel, impactando na fatura de 4,8 milhões de consumidores.

Para as residências paranaenses, o reajuste foi de 8,97% na conta de luz. O preço médio foi ampliado em 9,89%, resultado de 10,04% de acréscimo aplicado ao consumo de baixa tensão e de 9,57% para o serviço de média tensão.

Conforme a agência, o aumento na tarifa da Copel foi decorrente principalmente dos “encargos setoriais e atividades relacionadas ao transporte e distribuição de energia”. O custo da energia elétrica é definido pela Aneel com base nos custos de produção, na distribuição da geradora à unidade consumidora e nos tributos – os quais não são fixados por ela.

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Paulo Bogler - H2FOZ

Paulo Bogler é jornalista e repórter do H2FOZ. e-mail: [email protected] Veja mais mais conteúdo do autor.

Paulo Bogler - H2FOZ tem 1448 posts e contando. Ver todos os posts de Paulo Bogler - H2FOZ

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.