Educadores pedem suspensão das aulas presenciais em Foz, durante audiência pública da Câmara

Audiência pública foi requerida por seis sindicatos de profissinais da educação - Foto: Divulgação

Entidade cobrou do poder público  estudo  demonstrando a segurança da reabertura das escolas. Secretária de Educação defendeu a retomada das atividades com protocolos sanitários.

Qual é o estudo científico utilizado pela Prefeitura de Foz do Iguaçu e pelo Governo do Paraná para sustentar a segurança das aulas presenciais? Esse foi um dos questionamentos da diretora da APP-Sindicato/Foz, Cátia Castro, durante audiência pública requerida por sindicatos da educação e promovida pela Câmara de Vereadores nesta segunda-feira, 21.

Em nome da entidade, a educadora pediu a suspensão das aulas presenciais, por conta das condições epidemiológicas de Foz do Iguaçu. Em sua explanação, Cátia afirmou que, devido à alta transmissão de covid-19, falta de vagas em unidades de tratamento intensivo e elevado número de mortes no município, não é possível reabrir as escolas neste momento.

“Se a escola fosse um lugar seguro para as crianças e adolescentes neste momento da pandemia, pais e mães não teriam que assinar um termo.”

“Se a escola fosse um lugar seguro para as crianças e adolescentes neste momento da pandemia, pais e mães não teriam que assinar um termo assumindo a responsabilidade pela volta às aulas de seus filhos”, apontou. Segundo ela, as autoridades públicas estão adotando uma postura que contraria a ciência ao reabrirem os estabelecimentos de ensino.

“No contexto em que estamos, com a pandemia fora descontrole e a vacinação longe de chegar à maioria da população, voltar às aulas é expor a vida de educadores e estudantes”, enfatizou Cátia Castro. “O prefeito, governador e todos que estão avalizando esse retorno serão responsabilizados”, completou.

A dirigente sindical criticou duramente a ausência da chefia do Núcleo Regional da Educação de Foz do Iguaçu (NRE) na audiência da Câmara Municipal. “A chefe do Núcleo, Silvana Garcia, age pela volta às aulas em todos os colégios, mas se esconde em seu gabinete para não vir dialogar com a comunidade e assumir a sua responsabilidade”, frisou Cátia.

A representante da APP-Sindicato/Foz instou os vereadores de Foz do Iguaçu a intercederem politicamente junto ao prefeito Chico Brasileiro (PSD) e à gestão estadual pela suspensão das aulas. “Os colégios estaduais não têm estrutura, nem mesmo ventilam adequadamente. Faltam servidores. Recebemos máscaras de pano, sequer obtivemos um modelo com recomendação técnica”, denunciou.

Sobrecarga dos educadores

O professor Gilberto Calil, doutor em História e integrante da Adunioeste (Sindicato de Docentes da Unioeste), destacou que a categoria está sob desgaste físico e emocional intenso, sendo o segmento que mais quer a volta às aulas. “Estamos com sobrecarga de trabalho e custos econômicos adicionais para trabalhar. A perspectiva de todos nós é a de retornar às salas, mas isso tem que ocorrer com segurança”, ponderou.

“A perspectiva de todos nós é a de retornar às salas, mas isso tem que ocorrer com segurança.”

O docente, que participa de um grupo de pesquisa e monitoramento da covid-19, criticou o elevado número de mortes pela doença em Foz do Iguaçu, no estado e no país. “Esse cenário é fruto de opções políticas, é resultado direto das decisões que foram tomadas. É preciso avançar com a vacinação, em associação a medidas rigorosas de contenção”, defendeu Gilberto.

Secretária defende segurança dos protocolos

O retorno das atividades presenciais na rede pública de ensino foi defendido pela secretária municipal de Educação, Maria Justina da Silva, durante a audiência pública na Câmara de Vereadores. Ela respondeu a diversos questionamentos das categorias sindicais e da população em geral, e detalhou todas as medidas de segurança adotadas pelas instituições de ensino.

“Sempre levamos em consideração a situação da pandemia no município, os protocolos de segurança e adquirimos todos os EPIs (equipamentos de proteção individual) necessários. Desde o ano passado as escolas e CMEIs estão equipadas. Também ofertamos formações a todos os profissionais da educação sobre os protocolos de segurança”, disse Maria Justina.

“Sempre levamos em consideração a situação da pandemia no município, os protocolos de segurança e adquirimos todos os equipamentos de proteção individual necessários.”

A volta as aulas no modelo híbrido na rede municipal, conforme a secretária, está prevista para o dia 28 de junho, de forma escalonada até 12 de julho, para alunos dos 1º aos 5º anos das escolas e turmas de Infantil 4 e 5 dos CMEIs (Centros Municipal de Educação Infantil).

Na rede estadual, o retorno começou nesta segunda-feira (21) com 30% da capacidade de público de cada escola; e seguirá com aumento dessa capacidade de forma gradativa até chegar aos 70%, no dia 5 de julho, conforme a assessoria da prefeitura.

Restrições rígidas e não volta às aulas

Com transmissão comunitária de covid-19, Foz do Iguaçu não deve permitir a volta às aulas presenciais, sob risco de acelerar o número de casos e de mortes pela doença, bem como de provocar o colapso do sistema de saúde. A orientação é do cientista Lucas Ferrante, feita durante audiência pública realizada pela Câmara de Vereadores.

“Há consenso entre cientistas, por meio de artigos nas principais publicações de ciência do mundo, de que localidades com transmissão comunitária não devem voltar às aulas presenciais”, ressaltou. Segundo ele, a situação de Foz do Iguaçu requer a adoção de medidas restritivas rígidas, sem retorno às atividades em sala, para não aumentar a circulação viral.

“Há consenso entre cientistas de que localidades com transmissão comunitária não devem voltar às aulas presenciais.”

Com base nos dados epidemiológicos do município, Lucas Ferrante questionou na audiência os argumentos usados por representantes do poder público. “Temos que considerar o que diz a ciência, o que é comprovado e embasado. Não podemos tentar mascarar o cenário, criando uma situação ilusória, colocando a comunidade em risco”, disse Lucas.

Conforme o cientista, não existe protocolo seguro, e as aulas presenciais só deveriam voltar a ocorrer com vacinação em massa, com a segunda dose para grande parte da população – entre 85% e 95% –, e não apenas a profissionais da educação. “É necessário lockdown de 21 dias para impedir o aumento do colapso hospitalar, de óbitos e pessoas com sequelas”, recomendou.

O epidemiologista é autor de artigos publicados na Nature e Science, principais revistas científicas internacionais. Pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Lucas Ferrante participou de estudos que previram e alertaram sobre a segunda onda de covid-19 em Manaus (AM). Atualmente faz o monitoramento da pandemia em dez cidades do Paraná.

Autoria 

A audiência pública para debater a volta às aulas, solicitada pelos sindicados, tramitou no Legislativo sob a autoria da vereadora Yasmin Hachem (MDB). “Sabemos que há prejuízo acadêmico, psicológico, econômico, mas nada disso é definitivo como a morte. Não estamos em condição de pretender agora o que é ideal”, disse.

“Não estamos em condição de pretender agora o que é ideal.”

Durante os debates, afimrou que a época é de excepcionalidade. “Precisamos direcionar nossos esforços para segurar os índices de lotação dos hospitais, de não esgotar ainda mais os trabalhadores da saúde. A conclusão da audiência é união das forças pela vacinação e defesa incondicional da vida humana”, disse a vereadora.

(Com informações das assessorias da APP-Sindicato/Foz, prefeitura e Câmara de Vereadores)

Gostou do texto? Contribua para ampliar o jornalismo em Foz do Iguaçu. ASSINE JÁ

Já escutou o último episódio do GUARÊ, o podcast do H2FOZ? OUÇA AGORA

Assessoria

Este texto é de responsabilidade de assessoria da imprensa institucional e/ou empresarial. Veja mais conteúdo do autor.

Assessoria tem 598 posts e contando. Ver todos os posts de Assessoria

error: O conteúdo protegido !!! Este conteúdo e de exclusividade do H2FOZ.