Argentina: paralisação no setor aéreo afeta voos em Puerto Iguazú

Categorias representadas por três sindicatos cruzaram os braços, nesta quarta-feira (28), nos aeroportos de todo o país.

Apoie! Siga-nos no Google News

O Aeroporto Internacional de Puerto Iguazú, no lado argentino, está virtualmente deserto nesta quarta-feira (28). Das companhias que operam no local, apenas a Flybondi manteve seus três voos entre a cidade da fronteira e a capital do país, Buenos Aires.

Leia também:
Avião que vinha para a fronteira retorna após falha técnica na Argentina

O motivo do cenário atípico é a paralisação convocada pelos sindicatos que representam trabalhadores das companhias, operadores dos aeroportos e pilotos, após tentativa fracassada de negociação com as empresas Aerolíneas Argentinas e Intercargo.

Painel de voos no aeroporto de Puerto Iguazú. Gráfico: Aeropuertos Argentina 2000
Painel de voos no aeroporto de Puerto Iguazú. Gráfico: Aeropuertos Argentina 2000

O resultado da medida, que está prevista para durar 24 horas, é o cancelamento dos voos na maior parte do país.

A Flybondi, por exemplo, só conseguiu evitar a suspensão de suas frequências porque remanejou as operações do Aeroparque Jorge Newbery (próximo à área central de Buenos Aires) para o Aeroporto Internacional de Ezeiza, onde os serviços estão mantidos.

No caso da Aerolíneas Argentinas, 331 voos foram cancelados, afetando 24 mil passageiros. Latam e JetSmart também foram forçadas a cancelar ou remanejar seus voos devido à interrupção dos serviços logísticos em muitos dos aeroportos.

Em Puerto Iguazú, foram cancelados voos da Aerolíneas Argentinas e JetSmart para Ezeiza (1), Aeroparque (7), Salta (1) e Tucumán (1). Para quinta-feira (29), a perspectiva é de normalização das atividades.

A paralisação dos aeroviários ocorre em meio ao cenário de aceleração da inflação na Argentina, que atingiu 25% em dezembro, 20% em janeiro e deve marcar entre 15% e 20% em fevereiro, mesmo com a retração do consumo interno.

Os sindicatos argumentam que os percentuais oferecidos pelas companhias são insuficientes para cobrir o aumento do custo de vida e as perdas previstas para os próximos meses, à medida que os preços sobem e o dinheiro perde valor.

LEIA TAMBÉM

Comentários estão fechados.