Em visita ao Paraguai, presidente da Argentina prega integração regional

Presidentes vistoriam a instalação de turbinas adicionais em Yacyretá. Imagem: Presidência / Paraguai

Alberto Fernández encontrou-se com Mario Abdo Benítez em Ayolas e percorreu a usina binacional de Yacyretá, no Rio Paraná.

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, fez nessa segunda-feira (30) sua primeira visita oficial ao Paraguai. Ao lado do colega paraguaio Mario Abdo Benítez, o mandatário cumpriu agenda na cidade de Ayolas e percorreu as obras de expansão da usina hidrelétrica binacional de Yacyretá (Paraguai–Argentina), localizada no Rio Paraná.

Em Ayolas, os dois presidentes participaram da entrega de mais de mil títulos de propriedade aos atuais moradores de casas construídas por Yacyretá. Os imóveis foram erguidos a partir dos anos 1970, para abrigar os trabalhadores da usina. A regularização era reivindicada havia mais de duas décadas pela população da cidade paraguaia.

Na usina, os dois presidentes vistoriaram a instalação de três turbinas adicionais no braço Aná Cuá, o que deve aumentar em 10% a capacidade de produção. A obra, orçada em US$ 350 milhões (R$ 1,6 bilhão no câmbio atual), está com 30% de seu cronograma executado pelas equipes binacionais.

“Argentina e Paraguai têm um destino em comum, e queremos aprofundá-lo. Parte disso está aqui, mas há muito mais para fazer”, afirmou Fernández, em declarações à imprensa presente. “Somos essa pátria que se desintegrou em termos de fronteiras, mas não como comunidade. Devemos fortalecer a unidade.”

Outro tema abordado durante a visita foi o pedido paraguaio para a reabertura da ligação entre Ayolas e a cidade argentina de Ituzaingó, usando Yacyretá como ponte. Mario Abdo Benítez solicitou ao colega que o ajude a cumprir a promessa.

“Fiz vários compromissos, e você precisa me ajudar a cumpri-los. Um deles tem a ver com o paço fronteiriço. Creio que com investimentos no lado argentino será possível habilitá-lo e poder cumprir com esse compromisso”, expressou o presidente paraguaio, recebendo de Fernández a resposta de que haverá prioridade.

“Há questões de infraestrutura, pois o número de pessoas que passa do Paraguai para a Argentina é grande, não temos infraestrutura suficiente para recebê-los, nem local para estacionamento. Vamos resolver e trabalhar para que seja reaberto rapidamente”, prometeu o argentino.

É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo sem prévia autorização do H2FOZ.

Guilherme Wojciechowski - H2FOZ

Guilherme Wojciechowski é repórter colaborador do H2FOZ. E-mail: [email protected] - Veja mais mais conteúdo do autor.

-->